Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Daniel Alves critica clubismo da torcida e pede conexão entre público e seleção

Lateral lamenta ambiente frio durante partida de abertura e convoca união entre time e população

Ciro Campos, enviado especial a Salvador, O Estado de S. Paulo

16 de junho de 2019 | 14h30

O capitão e lateral-direito da seleção brasileira Daniel Alves voltou a comentar neste domingo sobre a relação entre a torcida e a equipe. Depois de na sexta-feira criticar o silêncio do público e a falta de apoio no Morumbi durante a vitória sobre a Bolívia, pela Copa América, o jogador disse em Salvador que o comportamento de quem acompanha os jogos precisa deixar o vínculo das paixões por clubes e passar a ser mais patriótico.

O jogador mais experiente da seleção, de 36 anos, pediu para o público ser mais torcedor do Brasil e menos ligado aos seus respectivos clubes quando se está no meio de uma competição importante, como a Copa América. "O futebol no Brasil é religião e as pessoas são doutrinadas a seguir seus clubes, não sua seleção. Então, se tem um jogador do seu time, elas apoiam. Se não tiver, é o contrário. Elas levam esse sentimento", afirmou. "Mesmo se você não gosta de certo jogador, é a hora de união, que haja uma conexão", acrescentou.

Na abertura da Copa América, além das vaias no intervalo, o jogo teve um ambiente mais morno. O estádio mais silencioso e de ambiente menos vibrante levou nomes como o próprio Daniel Alves, além do zagueiro Thiago Silva, a pedirem mais apoio. O Brasil venceu por 3 a 0, com gols no segundo tempo, marcados por Everton e Philippe Coutinho (duas vezes).

Para Daniel Alves, o público poderia ter mais conscientização sobre a importância da seleção brasileira. "As pessoas têm que entender que estamos representando nosso país, nossa nação. Não estamos aqui perdendo tempo, para ficarmos mais bonitos vestindo a camisa. Estamos aqui por uma nação. O Brasil já viveu a experiência de que quando se tem conexão entre time e torcida, os resultados são favoráveis", afirmou.

O lateral ainda comentou sobre o preço dos ingressos desta Copa América. Para a partida de abertura, no Morumbi, o preço médio das entradas era de cerca de R$ 500, valor considerado alto pelo lateral. "Sou do povo, sempre vou prezar pelo povo, que esteja no estádio. Mas foge das nossas mãos, porque não controlamos os preços dos ingressos", afirmou. Daniel Alves disse torcer para um ambiente diferente da seleção brasileira no próximo jogo.

Na terça-feira, a equipe recebe em Salvador a Venezuela, na Fonte Nova. Daniel Alves foi revelado pelo Bahia, é baiano de Juazeiro e convocou a presença popular para tanto ajudar a equipe a ganhar, como para deixar de lado o ambiente frio registrado durante a partida de abertura, no Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.