Franck Fife / AFP
Franck Fife / AFP

Com lesão no joelho, Daniel Alves está fora da Copa do Mundo da Rússia

Jogador, de 35 anos, não será convocado pelo técnico Tite na segunda-feira, quando a CBF tem de entregar à Fifa a relação dos 23 jogadores e mais 12 suplentes.

Andrei Netto, correspondente / Paris, O Estado de S. Paulo

11 Maio 2018 | 13h26

O lateral-direito titular da Seleção Brasileira, Daniel Alves, está fora da Copa do Mundo da Rússia. Exames complementares realizados nesta sexta-feira, 11, em Paris, mostraram que o jogador, de 35 anos,  sofreu uma lesão mais séria do que inicialmente diagnosticado, e seu tempo de recuperação excederá as três semanas inicialmente previstas. O atleta do Paris Saint-Germain sofreu um descolamento dos ligamentos do joelho direito e, por ter de passar por uma cirurgia, pode precisar de até seis meses para poder retornar aos gramados, tempo excessivo para o Mundial.

+ Tite convoca seleção para a Copa do Mundo da Rússia dia 14 de maio

+ Confira o noticiário da Copa da Rússia

O diagnóstico foi feito em Paris pelo médico da Seleção Brasileira, Rodrigo Lasmar, que chegou na quarta-feira acompanhado do coordenador técnico da equipe, Edu Gaspar. Ambos estiveram reunidos por quatro horas com o atleta e com o departamento médico do PSG no Centro de Treinamentos da equipe, na periferia da capital francesa. Mas as conclusões tiradas por Lasmar contrariaram o diagnóstico feito pelos médicos do Paris Saint-Germain - como também havia acontecido na lesão de Neymar, no final de fevereiro. Na terça-feira, o clube informou que Daniel Alves não havia sofrido ruptura dos ligamentos, e que o tratamento seria conservador: três semanas de repouso e fisioterapia, até uma nova análise e, eventualmente, a retomada dos trabalhos de condicionamento físico.

Essa conclusão daria ao brasileiro a possibilidade de se recuperar a tempo de participar do final da fase de grupos da Copa do Mundo, que terá início em 17 de junho com o jogo Brasil x Suíça.A análise em vigor no PSG começou a cair por terra na quinta-feira, quando Lasmar e Edu Gaspar passaram quatro horas discutindo com os médicos do PSG os detalhes do caso. Para o médico brasileiro, a quantidade de líquido no joelho de Daniel Alves tornava o diagnóstico impreciso, e por isso novos exames de imagem tiveram de ser realizados.

Nessa sexta, os exames complementares foram a analisados em uma nova reunião realizada pela manhã. À tarde, nem o Paris Saint-Germain, em Paris, nem a CBF, no Rio, confirmava as novas informações sobre o tempo de recuperação de Daniel Alves. Ao Estado, o PSG informou que "muito provavelmente" não se manifestaria sobre o caso pelo menos até o final de semana.

O clima, porém, não era de otimismo. À tarde, o técnico do PSG, Unai Emery, deu mostras de que a constatação final dos médicos era mais grave do que o que se dizia. "Sobre Daniel Alves, há uma discussão sobre o que é melhor para ele", informou, em tom pessimista. "Eu lamento por ele, porque ele dava tudo em todos os jogos, ia ao encontro dos adversários para recuperar a bola. Espero que, pelo coração, pela características e a carreira que tem, que continue com o mesmo espírito competitivo."

Emery chegou a colocar em questão, de forma indireta, o retorno de Daniel Alves ao futebol. "Eu acredito nele, no espírito que ele tem, e é por isso que acredito que ele vai poder continuar a jogar", disse.

Mesmo após a entrevista, no final da tarde tanto o PSG quanto a CBF continuavam se negando a confirmar a gravidade da lesão e, por consequência, o afastamento do lateral da Copa do Mundo. A confirmação oficial só veio por meio de uma nota divulgada no site da confederação, em tom conciliatório, como se o clube e a federação tivessem, desde um primeiro momento, chegado à mesma conclusão. "Foram realizados exames complementares minuciosos e confirmado o diagnóstico inicial de lesão do ligamento cruzado anterior, com necessidade de tratamento cirúrgico", diz o texto. 

"Esgotadas todas as alternativas de recuperação dentro do prazo, constatou-se a impossibilidade da convocação de Daniel Alves para o período de preparação, amistosos e, consequentemente, para a Copa do Mundo."

Com o afastamento de Daniel Alves do Mundial, três nomes disputam duas vagas no elenco de Tite: Danilo, do Manchester City, Rafinha, do Bayern de Munique, e Fagner, do Corinthians.

NOTA OFICIAL

"Na última quinta-feira (10), o médico da Seleção Brasileira, Rodrigo Lasmar, e o coordenador, Edu Gaspar, desembarcaram em Paris para um acompanhamento aprofundado da situação médica ocorrida na final da Copa da França com o lateral direito do Paris Saint-Germain, Daniel Alves.

Como vem ocorrendo desde o início do trabalho, a comissão técnica criou uma importante relação com as equipes do Brasil e do exterior, o que permite acompanhamentos técnicos, físicos e clínicos 'in loco', além da participação na tomada de decisões.

Seguindo essa linha de trabalho em conjunto, foram realizados exames complementares minuciosos e confirmado o diagnóstico inicial de lesão do ligamento cruzado anterior, com necessidade de tratamento cirúrgico.

Esgotadas todas as alternativas de recuperação dentro do prazo, constatou-se a impossibilidade da convocação de Daniel Alves para o período de preparação, amistosos e, consequentemente, para a Copa do Mundo.

A comissão técnica da Seleção Brasileira sente pelo o ocorrido e deseja a Daniel Alves uma pronta recuperação para que sua técnica, raça e liderança estejam de volta ao serviço da Amarelinha o mais breve possível."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.