Érico Leonan / saopaulofc.net
Érico Leonan / saopaulofc.net

Daniel Alves: 'Precisamos criar uma atmosfera de time vencedor'

Lateral analisou atuação do São Paulo na vitória por 1 a 0 sobre o Avaí e cobrou melhora

Dani Arruda, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2019 | 11h30

O lateral Daniel Alves afirmou que o São Paulo precisa embalar uma sequência de vitórias e bons resultados jogando no Morumbi para conquistar a confiança da torcida e voltar ter mais apoio durante as partidas. 

Na vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, o São Paulo encontrou dificuldades para furar a retranca do adversário, mesmo com um jogador a mais desde os 22 minutos do primeiro tempo (após a expulsão de Brenner).

Ao final do primeiro tempo, o São Paulo chegou a ser vaiado por parte dos torcedores, indignados com a falta de oportunidade de gols diante do penúltimo colocado, com a segunda pior defesa da competição, mesmo tendo posse de bola muito superior (78%).

"Temos que começar a ser mentalmente fortes e trazer nosso torcedor, criar uma atmosfera de luta, de time que quer vencer. O campeonato é muito forte. A torcida vai cobrar quando a gente criar tantas ocasiões, é normal, mas é assim que vamos criar essa atmosfera de "nossa casa". O mais importante é vencer e escalar posições, aproveitar as oportunidades que os outros clubes nos dão", disse Daniel Alves, em entrevista à TV Globo. 

Sobre a preferência em atuar como lateral ou no meio de campo, o jogador se mostrou incomodado com a pergunta. Contra o Avaí, Alves atuou na lateral. Nas convocações para a Seleção Brasileira, também tem atuado na posição de origem. 

"Aqui (no Brasil) infelizmente tudo é debate, tudo gera debate. No Barcelona se criou o falso nove, aqui se criou o falso lateral-direito. É uma posição de início, aberto, mas depois vindo para o meio para construir, conectar a bola com nosso meio, com nosso ataque. O desafio foi lançado desde que pisei aqui, é na base da luta, de guerrear, assim que construí minha vida".

O técnico Fernando Diniz afirmou que não pretende escalar o jogador fixo em uma determinada posição e irá aproveitar o talento de Daniel de acordo com o adversário.

"Ele rende tanto no meio quanto na lateral. Ali (na lateral) ele tem o domínio completo, melhor lateral-direito do mundo, foi o melhor da Copa América. E no meio jogou bem contra o Fortaleza. É um privilégio tê-lo nas duas posições"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.