Vitor Silva/Divulgação
Vitor Silva/Divulgação

Daniel Carvalho celebra a presença do filho em possível jogo do acesso

João Paulo mora em Criciúma e verá jogo com o Botafogo pelo pai

Estadão Conteúdo

06 Novembro 2015 | 20h49

Daniel Carvalho colocou fim à sua carreira em 2013, após uma passagem apagada pelo Criciúma. Mais de dois anos depois, no entanto, o jogador voltou ao futebol e foi bastante importante para a campanha do Botafogo, que pode selar o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro sábado, diante do mesmo Criciúma, fora de casa. E em uma partida tão significativa, o meia terá o apoio de quem mais o incentivou a voltar: seu filho.

"Com certeza será um dia especial pra mim e também pode ser para o Botafogo conseguir esse acesso. Não só meu filho, mas o meu afilhado, meus sobrinhos e minha mãe estarão aqui para prestigiar, e ver esse acesso do Botafogo", declarou o jogador nesta sexta-feira.

Quando retornou ao futebol, Daniel Carvalho explicou que a decisão foi influenciada em grande parte por seu filho, João Paulo. O meia, então, passou a conviver com a desconfiança da torcida, que sabia do seu passado recente de insucessos. Mas ele não decepcionou: hoje é titular e peça importantíssima no esquema de Ricardo Gomes. Em meio a toda essa reviravolta, fica difícil conter a ansiedade para sábado.

"A ansiedade existe, mas estou mais ansioso para esperar meu filho chegar aqui, entrar em campo comigo e eu poder fazer um grande jogo. Essa ansiedade para subir não existe e nenhum jogador está assim, pelo contrário, todos estão com os pés nos chão. Deixamos a ansiedade da subida para o torcedor", garantiu.

Depois da volta por cima, resta saber se Daniel Carvalho seguirá no Botafogo no ano que vem. "Não conversamos ainda. O Ricardo já falou comigo, mas com a diretoria ainda nada. Estou deixando rolar e, até o dia 30 de novembro, o Botafogo tem que me dar uma posição. Se eu ficar, será ótimo. Mas se não continuar, eu seguirei jogando futebol e sairei como um grande torcedor", explicou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.