Daniel Carvalho tem só 1 chance na Sub-23

Dos 11 jogadores escalados para a partida desta quarta-feira, contra a Venezuela, na estréia da seleção Sub-23 no Pré-Olímpico, Daniel Carvalho é o que mais corre risco de sair do time já na próxima rodada. Se o esquema com três atacantes deixar o meio-de-campo sobrecarregado, o técnico Ricardo Gomes já decidiu que o substituirá por Fábio Rochemback - que chegou a Concepción apenas na tarde desta terça - na partida contra o Paraguai. Por isso, ele promete se matar em campo para garantir a posição. "Todo mundo quer jogar. Estou tendo a chance e vou fazer o possível para mostrar ao treinador que posso fazer tudo o que ele quiser", afirmou Daniel Carvalho, que completará 21 anos em março e acabou de se sagrar campeão mundial Sub-20.O detalhe que ameaça o jogador do Internacional é a ajuda na marcação. Ricardo Gomes quer que ele volte para fechar o setor esquerdo, e com isso, alivie um pouco o trabalho de Paulo Almeida e Elano. No coletivo de domingo, o primeiro realizado no Chile, Daniel Carvalho não cumpriu bem essa determinação e o time titular passou por apuros.Já na segunda-feira, ele melhorou e levou o treinador a definir a sua escalação. "O que aconteceu no coletivo é que eu estava cansado porque tínhamos treinado em dois períodos no sábado e já tínhamos feito um treino no domingo de manhã. Agora estou mais descansado e pronto para contribuir na marcação. Não preciso fazer nada muito complicado, é só acompanhar o lateral-direito até o meio do campo. Eu, o Dagoberto e o Robinho sabemos que precisamos dar uma força na marcação para o esquema com três atacantes funcionar e que quem não fizer sua função vai sair do time", disse o jogador.Quando a seleção tiver a bola, sua função será criar jogadas pela esquerda ou fechar para a área quando o ataque estiver sendo feito pela direita. "Estou me entendendo bem com o Maxwell. Ele não apóia tanto quanto o Maicon pelo outro lado, mas é inteligente e toca bem?, contou Daniel Carvalho. Seu chute forte de pé esquerdo é uma das armas do Brasil para enfrentar a esperada retranca venezuelana na partida desta quarta. O auxiliar-técnico Cristovão o considera "um animal" para chutar e Ricardo Gomes sempre lhe dispensa atenção especial nos treinos de finalização. "Tenho facilidade para bater na bola. Tomara que pintem umas chances para eu bater de fora da área amanhã."

Agencia Estado,

06 de janeiro de 2004 | 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.