Daniel volta e Palmeiras vence jogo-treino

De prático, a goleada do Palmeiras sobre o União São João por 5 a 2, no jogo-treino realizado hoje em Águas de Lindóia, serviu para mostrar que o zagueiro Daniel está recuperado da torção no joelho esquerdo que o afastou do futebol nos últimos três meses. Embora tenha admitido não estar bem fisicamente, não sentiu dores e marcou até um gol (o placar foi completado por Vágner, Muñoz e Edmílson, que marcou duas vezes). Daniel, no entanto, acha cedo para confirmar sua escalação no amistoso de domingo contra o Comercial, em Ribeirão Preto. Prefere melhorar sua condição aeróbia antes de participar de uma partida. "Me senti confortável contra o União, mas foi apenas a primeira movimentação mais forte com bola desde a contusão. Minha condição física está longe do ideal. Além disso, hoje fiquei com receio de dividir em vários lances. Isso é natural após ter ficado tanto tempo parado, mas não posso me arriscar a jogar sem estar totalmente recuperado." O zagueiro também falou sobre o futuro da equipe. E reconheceu ser possível a realização de um bom Campeonato Paulista mesmo sem contratações de impacto. "O único time que talvez esteja melhor que a gente seja o Santos, cujos jogadores se conhecem bem. Em relação aos demais, não vejo muita diferença. Se o Palmeiras continuar entrosado, tem condições de chegar ao título. No começo teremos as mesmas dificuldades dos demais. Mas potencial realmente não nos falta." Fora de campo o marasmo continua. Depois de perder Mota para o Dragons, da Coréia, o clube corre o risco de ver Roberto Santos, atacante que está processando o Santa Cruz por falta de pagamento dos salários e que já conversou com o presidente Mustafá Contursi, optar por uma proposta do Paulista de Jundiaí. "Não sei o que está acontecendo. Minhas conversas com o presidente sempre são produtivas, mas na hora H as coisas não acontecem. Pelo que sei, o Roberto Santos vai acertar com o Paulista. E o Mota, que estava praticamente fechado com a gente, preferiu jogar na Coréia. Aliás, acho que o Mota errou. Se fosse ele, jogaria no Palmeiras", disse o técnico Jair Picerni. Amanhã ele terá nova reunião com Mustafá em Águas de Lindóia para pedir empenho na contratação do meia Cléber, que defendeu o Sport na Série B. Aristizabal, que está acertando com o Coritiba, também estava em seus planos. "As negociações não estão caminhando a passos de tartaruga como alguns pensam. Precisamos ter calma. Mas enquanto não chega ninguém, vou tocando o meu barco com o que tenho", explica o treinador. O volante Claudecir, que rescindiu seu contrato com o Kashima Antlers, do Japão, disse hoje que espera retornar ao Palmeiras o mais rápido possível. Mas segundo Picerni, o jogador ainda pode ser envolvido em alguma negociação.

Agencia Estado,

14 de janeiro de 2004 | 19h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.