Danilo completa 100 jogos no São Paulo

Danilo completa, nesta quarta-feira, 100 jogos com a camisa do São Paulo. Do atual elenco, somente Rogério Ceni, Lugano e Cicinho já atuaram mais pelo clube do que o meio-campista. De seus 99 jogos, o tímido Danilo diz não ter um em específico guardado com mais carinho na memória. "Dou valor a todos", explica o mineiro de São Gotardo, com seu tom de voz quase sempre inaudível e olhos no chão. O meia sabe, porém, que o jogo desta quarta em Buenos Aires será especial. Não só por ser o seu centésimo com a camisa do clube. Mais por ser o homem-chave no esquema tático do técnico Paulo Autuori. Será de Danilo a função de ditar o ritmo tricolor, prendendo a bola (mais pelo lado esquerdo, nas costas do bom lateral Diogo) e fazer o tempo passar, enervando os jogadores do River, que precisam vencer por três gols de diferença. Ou seja: se Danilo tiver sucesso em sua função, crescem consideravelmente as chances de o São Paulo não ter sua vantagem de dois gols revertida. "Sei da minha importância para o time e vou procurar corresponder à confiança do treinador", diz o jogador, que já foi muito criticado justamente por prender a bola em demasia, principalmente em seu início no São Paulo, no começo do ano passado. O meia só se firmou como titular com a chegada do técnico Emerson Leão, e agora com Paulo Autuori. Hoje, ele pode se orgulhar de ser o jogador com maior número de passes para gol do time nesta temporada: foram 10, dois a mais que Cicinho, por exemplo. Somando-se essas 10 ?assistências? aos seus oito gols marcados no ano, pode-se dizer que Danilo foi responsável por 20% dos gols (18, de 89) do São Paulo na temporada. "Não tem segredo. Quando a oportunidade aparece, a gente não pode bobear. Principalmente num jogo assim, em que um gol nosso vale o dobro", diz Danilo, com o regulamento da Copa Libertadores na ponta da língua. "Não podemos só ficar lá atrás nos defendendo", diz. O meia afirma que não tem medo da pressão que a torcida argentina deve fazer sobre o time brasileiro no trajeto do hotel até o estádio Monumental de Nuñez. "Talvez possa haver pedradas, como aconteceu aqui com o time deles, mas não podemos deixar que isso tire a nossa concentração. Temos que estar bem focados na partida". Danilo também não teme a catimba e a possível violência dos adversários. "Time que quer ser campeão tem que estar preparado para tudo. Não podemos cair na provocação deles, de jeito nenhum. Se perdermos um jogador expulso por revidar uma provocação, as coisas se complicam demais", diz o meia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.