Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Danilo igualará recorde de jogos em Libertadores

Quietinho, quietinho, Danilo vai fazendo história no São Paulo. Depois de faturar o tricampeonato da Libertadores e mundial, nesta quarta-feira será a vez de o meia igualar a marca do goleiro Zetti e do atacante Müller, como os jogadores que mais vestiram a camisa do Tricolor na Copa Libertadores: 28 jogos. Contra o Chivas, dia 21, em Guadalajara, ficará sozinho no topo da lista.Superando até mesmo o ídolo e capitão Rogério Ceni, que ficou para trás nessa ?disputa? - vai fazer a sua 27.ª partida - por não ter enfrentado o Caracas, semana passada, na Venezuela, em razão de estar servindo a Seleção Brasileira.?É uma satisfação enorme. Ainda mais quando você está à frente de um jogador tão importante para o clube como o Rogério?, diz Danilo, que encara a sua terceira Libertadores consecutiva. ?É uma marca importante ainda mais aqui no São Paulo, que já conquistou este título três vezes.?Danilo também é o artilheiro do São Paulo na temporada, com oito gols. Neste jogo, sem Thiago e com Aloísio, ocupará uma posição diferente. Nem por isso, deixará de marcar seus gols. E já mostrou isso ao abrir o caminho para a vitória sobre o Caracas (2 a 1), na estréia do São Paulo no torneio.?Vou explorar o lado esquerdo. Lá, me sinto mais à vontade. Com o Aloísio centralizado, tenho uma referência para meus cruzamentos. Vou jogar numa posição em que já joguei bastante e não vejo nenhuma dificuldade?, explica.O técnico Muricy Ramalho complementa: ?É um espaço que ele aproveita bem e, além disso, abre espaço também para o Josué, o Mineiro e os dois alas que vierem de trás. Vai poder chutar mais de fora da área, o que sabe fazer e bem. Ele se sente bem e tenho de ter sensibilidade para aproveitar estas características.?Danilo repetiu o discurso do treinador tricolor de que será um jogo de paciência, apesar de o torcedor acreditar em uma goleada para cima dos peruanos. ?Não adianta rifar a bola lá da defesa. E também não podemos dar o contra-ataque a eles. É um time que marca muito forte. Deixa só um lá na frente e o resto fica marcando?, diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.