Danrlei, o brigão, alega inocência

Suspenso por um ano de competições organizadas pela Confederação Sul-Americana de Futebol, o goleiro Danrlei disse nesta sexta-feira que não agrediu o bandeirinha uruguaio Walter Rial no jogo entre o Grêmio e o 12 de Octubre, na última terça-feira, em Assunção, e colocou o caso nas mãos de departamento jurídico do clube. "Desta vez, não fiz nada", assegurou. Os advogados do Grêmio vão solicitar à emissora de televisão argentina Fox Sports o videoteipe da derrota tricolor (1 a 0) e dos incidentes ocorridos após o apito final para apresentá-lo com um pedido de reconsideração à Conmebol. Mas os diretores do Grêmio admitem que não acreditam na reversão da pena. Nenhum dos repórteres gaúchos que acompanharam o jogo na capital paraguaio viu a agressão. Mas Rial confirmou nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, ter recebido um pontapé de Danrlei após o jogo, agressão que relatou ao árbitro Sérgio Komjetán e que foi citada na súmula que deu origem à decisão administrativa da Conmebol. Mesmo que alegue inocência, o goleiro gremista não tem bons antecedentes. Freqüentemente é flagrado discutindo com os árbitros e já distribuiu socos e pontapés em dirigentes do próprio clube e jogadores adversários diante das câmeras de televisão. Há poucos dias, brigou a socos com o goleiro reserva Eduardo Martini, num treino. Danrlei segue como titular do Grêmio nas competições nacionais. Neste sábado, participa do jogo contra o Figueirense, pela Copa Sul-Minas.

Agencia Estado,

15 Março 2002 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.