Reprodução/Instagram/darijosrna
Reprodução/Instagram/darijosrna

Darijo Srna visita concentração da Croácia em Moscou: 'Joguem com coração e alma'

Lateral de 36 anos foi o capitão na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e apoiou grupo atual na final contra a França

Estadão Conteúdo

15 de julho de 2018 | 10h02

O lateral-direito Darijo Srna disputou as Copas do Mundo de 2006 e 2014 pela Croácia e nas duas se despediu na primeira fase. Aos 36 anos e contratado recentemente pelo Cagliari, ele visitou neste domingo a concentração da seleção de seu país, que a partir do meio-dia (horário de Brasília), disputará pela primeira vez a decisão de um Mundial. O adversário será a França, no Estádio Luzhniki, em Moscou.

+ Putin, Macron e Kolinda estarão presentes na final da Copa

+ Após êxito na Copa, Rússia já pensa em sediar os Jogos Olímpicos

+ Rússia garante que não vai repetir os problemas do Brasil com 'elefantes brancos'

No Instagram, o jogador postou uma foto com a delegação do time croata e uma mensagem de apoio. "Estou feliz por ter sido e continuar fazendo parte desta família. Orgulho-me de que os seus nomes sejam sempre impressos em letras douradas para o orgulho do seu povo e da sua pátria. Obrigado por estes dias inesquecíveis, vamos lembrá-los enquanto estivermos vivos", escreveu

Srna tem 134 partidas pela seleção croata e marcou 22 gols. Sua última partida representando seu país foi na Eurocopa de 2016, quando a Croácia caiu nas oitavas de final para Portugal, que na sequência garantiu a taça da competição.

"Vamos celebrar a Croácia como ninguém e fazer de todos nós as pessoas mais felizes do mundo. Boa sorte hoje. E obrigado por tudo em nome de todos os croatas. Joguem com seu coração e alma. Todos vocês joguem novamente como um. Continuem seguindo seu caminho corajosamente e nossos sonhos comuns. Acreditem que vocês são o maior e único vencedor em nossos corações. Melhor dos melhores", emendou.

 

 

 

Até a Copa da Rússia, o melhor desempenho da Croácia havia sido o terceiro lugar na Copa de 1998, quando foi eliminada justamente pela França nas semifinais. Na disputa pelo bronze derrotou a Holanda por 2 a 1.

Para chegar à decisão inédita, o time do técnico Zltako Dalic precisou vencer três prorrogações consecutivas - nunca uma seleção havia conseguido tal feito. O país sempre foi o que mais cedeu jogadores aos grandes times formados pela ex-Iugolávia, incluindo os craques Boban e Davor Sucker - o artilheiro da Copa de 1998, aliás, é o presidente da Federação Croata de Futebol.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.