Oliver Weiken/EFE - 30/06/2013
Oliver Weiken/EFE - 30/06/2013

David Luiz admite pressão de o Brasil ganhar a Copa em casa

Zagueiro diz que a seleção tem a chance de dar alegria ao povo brasileiro

O Estado de S. Paulo

18 de fevereiro de 2014 | 13h45

SÃO PAULO - Felipão sabe que o Brasil tem de ganhar a Copa do Mundo e a que a pressão vai ser grande para que o hexacampeonato seja festejado neste ano, em casa. Ele e sua comissão já compraram a ideia. Agora, o treinador vende essa postura para os jogadores, como fez em 2002 no Japão e Coreia do Sul. O zagueiro David Luiz, titular do time na Copa das Confederações, admitiu nesta terça-feira que a seleção sofre pressão para ganhar o torneio.

David Luiz relembra o fato de os países-sedes serem sempre cobrados para ganhar. No caso no Brasil, essa cobrança é maior ainda porque a seleção sempre é favorita em Mundiais.

"Precisamos vencer esta Copa. O povo brasileiro está esperando por isso há mais de 60 anos. Todos no Brasil amam o futebol e querem nos ver com o título", disse o zagueiro em entrevista ao jornal Daily Mail. "A Alemanha venceu uma Copa e perdeu outra em casa. A Itália ganhou uma e perdeu outra. O Brasil só perdeu uma, em 1950 para o Uruguai, e agora é hora de vencer. Temos a melhor chance, já que estamos em casa. A pressão será maior do que em outros países."

O zagueiro do Chelsea, da Inglaterra, tem como primeira Copa na memória a de 1994, nos Estados Unidos, quando o Brasil sagrou-se tetracampeão. Carlos Alberto Parreira era o treinador e Romário, o principal jogador. David Luiz lembra o pênalti perdido por Roberto Baggio na final com a Itália.

"Estou muito ansioso com a oportunidade de dar o título ao meu povo. Sei como é para uma criança ver o Brasil vencer uma Copa do Mundo. Minha melhor memória é de Roberto Baggio perdendo o pênalti para a Itália na finao de 1994. Fiquei correndo em volta do sofá comemorando. Agora é nossa chance."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.