Kim Kyung-Hoon / Reuters
Kim Kyung-Hoon / Reuters

David Luiz revela mistura de emoções por derrota para o Corinthians em 2012

Zagueiro, torcedor de infância do time alvinegro, atuou pelo Chelsea na final do Mundial de Clubes

Redação, Estadão Conteúdo

17 de maio de 2020 | 21h58

A conquista do Mundial de Clubes de 2012 pelo Corinthians emociona e é relembrada com carinho pelos seus torcedores até hoje. Um deles, porém, admite que o triunfo por 1 a 0 sobre o Chelsea ainda provoca uma mistura de emoções. Hoje no Arsenal, o zagueiro David Luiz defendia o clube azul londrino naquele época, sendo torcedor alvinegro, e fez a revelação neste domingo. Ele ainda elogiou o adversário daquele dia.

"Foi um jogo que ficou marcado na minha vida e na de todos os corintianos também. É verdade, sou corintiano, sempre deixei isso muito claro, neste dia representando o Chelsea dei tudo de mim, tentei dar o melhor para a gente se consagrar campeão, mas o Corinthians estava muito bem armado. Tinha um time maravilhoso e uma torcida tremenda que lotou o Japão e fez a diferença", afirmou, em entrevista à Rede Globo, que reprisou a partida neste domingo.

David Luiz também exaltou a atuação de Cássio, herói do Corinthians naquela partida, com várias defesas difíceis, o que o fez ser eleito o melhor jogador do Mundial - o zagueiro ficou em segundo lugar na votação promovida pela Fifa.

"Tentamos de todas as formas ganhar o jogo, mas Cássio estava num dia especial, fez defesas maravilhosas. O Corinthians tinha um time vencedor, sabia sofrer na hora que tinha que sofrer e sabia matar o jogo na hora que tinha que matar, como fizeram", disse David Luiz, que tinha a companhia dos brasileiros Ramires, Oscar e Lucas Piazon naquele time do Chelsea. "Ficou marcado, fiquei triste porque fizemos um jogo maravilhoso e não ganhei", acrescentou.

Mas ao mesmo tempo em que estava triste, David Luiz reconheceu que o triunfo corintiano lhe deixou com uma "pontinha" de felicidade por causa dos corintianos que esforçaram para ir ao Japão acompanhar o Mundial.

"Também fiquei feliz por tudo que conheço da história do Corinthians, das pessoas envolvidas naquela noite, por toda movimentação dos torcedores, pessoas que venderam casa, venderam carro para ir e participar desta festa, então tive essa pontinha de alegria. Também pelo meu trabalho bem realizado, ganhei uma bola de prata, mas queria ganhar o campeonato pela minha hombridade e profissionalismo. No futebol a gente nem sempre pode ganhar, mas tem que deixar em campo um trabalho sério e bem realizado", concluiu o zagueiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.