David Luiz vê seleção mais 'madura' na vitória contra Camarões

Além de boa apresentação em goleada, zagueiro nota mudança de comportamento dos atletas para reverter momento desfavorável

Almir Leite - Enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

24 de junho de 2014 | 13h57

O zagueiro David Luiz percebeu mais um aspecto positivo na seleção brasileira no jogo em que goleou Camarões por 4 a 1, na terça-feira em Brasília, além da evolução do futebol da equipe: a maturidade dos jogadores. Ele entende que isso ficou claro no comportamento do time após o time africano ter empatado a partida, no primeiro.

Para o jogador, não houve abatimento ou nervosismo após o gol de Matip e isso possibilitou a reação rápida. Neymar, que havia marcado o primeiro gol da seleção recolocou o Brasil em vantagem nove minutos após os camaroneses terem obtido a igualdade no placar.

"A equipe teve maturidade de ver que estava fazendo um jogo perfeito e de repente toma um gol. Mas a gente não abaixou a cabeça e mostrou maturidade depois de sofrer o gol'', disse David Luiz. Essa reação tranquila a um momento ruim na partida é consequência da confiança que os jogadores têm no trabalho que está sendo feito pela seleção brasileira nesta Copa do Mundo. "Todos estão correndo atrás do adversário com prazer. Acreditamos no nosso trabalho.

''A forma como a seleção tem encarado momentos adversos nos jogos é considerada por jogadores e membros da comissão técnica como uma prova de que o grupo, apesar de contar com vários atletas jovens, está preparado para suportar a pressão. Como exemplo citam recorrentemente o jogo com a Croácia, quando, apesar do nervosismo da estreia, da qualidade do adversário e de ter saído atrás no placar, a equipe teve estrutura emocional para reagir e virar a partida.

Contra o México, o Brasil passou sufoco, sofreu, mas soube suportar a adversidade. E o mesmo ocorreu contra Camarões, partida que garantiu à seleção o primeiro lugar no Grupo A. David Luiz prevê mais sofrimento contra o Chile, nas oitavas de final, sábado em Belo Horizonte. "Será um jogo muito difícil, intenso. O Chile não é só Valdivia nem Alexis Sanchez. Eu conheço muito bem o Chile, tem jogadores de muita qualidade.''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.