Maxim Shemetov/ Reuters
Maxim Shemetov/ Reuters

David Silva segue passos de Iniesta e Piqué e se aposenta da seleção da Espanha

Jogador do Manchester City divulgou uma carta aberta no site oficial da Real Federação Espanhola

Estadao Conteudo

13 Agosto 2018 | 14h33

A geração campeã mundial em 2010, na África do Sul, perdeu nesta segunda-feira mais um jogador. Depois de Iniesta e Piqué, o meia David Silva, aos 32 anos, anunciou a sua aposentadoria da seleção da Espanha. Em uma carta aberta divulgada no site oficial da Real Federação Espanhola (RFEF, na sigla em espanhol), o jogador do Manchester City revelou que pensou bastante antes de tomar a decisão.

"Não é fácil, depois de tudo o que vivi, sentar e escrever essas palavras. Foram dias e semanas de reflexão até tomar a decisão de interromper a minha etapa pela seleção espanhola. Sem dúvida, é uma das decisões mais difíceis da minha carreira que comunico com gratidão e humildade", disse o atleta que, além da Copa do Mundo de 2010, foi campeão de duas edições da Eurocopa - em 2008 e em 2012.

"A seleção me deu tudo o que tenho e me proporcionou crescer como jogador de futebol e pessoa também desde as categorias de base" afirmou David Silva, que se lembrou do técnico Luis Aragonés, comandante da seleção na conquista da Eurocopa de 2008. "Coloco um ponto final em uma era carregada com muita emoção em todos os momentos que vivi. E não me esqueço da figura de Luis Aragonés, um mestre que nunca esqueceremos".

David Silva atuou pela seleção da Espanha ao longo de 12 anos. Foram 125 partidas disputadas e 35 gols marcados. A estreia pela equipe principal foi no dia 15 de novembro de 2006 contra a Romênia, pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2008. Antes, já havia defendido as categorias de base, sendo que conquistou o título do Mundial Sub-19 em 2004.

Essa é mais uma baixa na seleção espanhola após a eliminação frustrante na Copa do Mundo da Rússia - caiu nas oitavas de final para a equipe anfitriã. Nos últimos dias, o zagueiro Piqué já tinha comunicado a mesma decisão, assim como o meia Iniesta fizera após a queda no Mundial.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.