JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

De '1.000% garantido' a demitido, Oswaldo deixa o Palmeiras

Clube emite nota oficial e confirma saída do treinador

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2015 | 14h51

Oswaldo de Oliveira não é mais treinador do Palmeiras. E agora ele também está sabendo disso. Quatro dias depois de o diretor de futebol, Alexandre Mattos, assegurar que o técnico estava '1000% garantido' no cargo, tudo mudou e, em reunião realizada nesta terça-feira, na Academia de Futebol, foi decidida pela saída do comandante palmeirense. Alberto Valentim assume interinamente o time no Brasileirão.

A definição sobre o futuro do treinador aconteceu no fim da noite de segunda-feira, mas como Oswaldo estava no Rio de Janeiro, Nobre não queria demiti-lo por telefone. O ex-técnico do Palmeiras comandou a equipe em 31 jogos. Foram 17 vitórias, sete empates e sete derrotas. O time marcou 50 gols e sofreu 26, tendo 62,37% de aproveitamento dos pontos disputados. Embora os números sejam bons, o desempenho da equipe, principalmente no Campeonato Brasileiro, não estava agradando e o estopim foi a derrota por 2 a 1 para o Figueirense, domingo, em Florianópolis.

O treinador estava balançando no cargo há algumas semanas e ganhou sobrevida com a vitória sobre o Corinthians. Nos bastidores, a pressão para demiti-lo era muito grande e se tornou insustentável após mais um tropeço. Desde o início das especulações de sua saída, Oswaldo sempre se mostrou descrente de que poderia ser demitido. No domingo, após a partida contra o Figueirense, chegou a ironizar que o tema era falta de assunto da imprensa. O presidente Paulo Nobre não queria a saída do treinador, enquanto o diretor de futebol, Alexandre Mattos, achava que havia chegado a hora da mudança.

Além dos resultados ruins, algumas atitudes do treinador nas últimas semanas também deixaram os dirigentes incomodados. Uma delas foi reclamar em entrevista da reunião feita por Mattos em que ele cobrou publicamente os atletas. Além disso, Oswaldo deixou escapar que o atacante Alecsandro estava sendo contratado e que já havia pedido a contratação de um reforço experiente para o ataque.

Sem Oswaldo, Alberto Valentim deve dirigir o Palmeiras na partida contra o Fluminense, enquanto a diretoria corre atrás de novo treinador. Marcelo Oliveira e Cuca são os mais cotados. O primeiro é amigo de Mattos, com quem foi bicampeão brasileiro, enquanto Cuca é palmeirense assumido, está de saída do futebol chinês e deixou boa impressão nos dirigentes no início do ano, quando veio com o Shandong Luneng participar de amistoso no Allianz Parque.

CONFIRA NOTA OFICIAL

O técnico Oswaldo de Oliveira não é mais treinador do Palmeiras. Em reunião realizada na tarde desta terça-feira (09), na Academia de Futebol, o clube decidiu interromper o vínculo com o comandante. Ele estava à frente da equipe palestrina desde o início da temporada e, em 31 partidas, somou 17 vitórias, sete empates e sete derrotas.

Interinamente, o auxiliar-técnico Alberto Valentim, membro da comissão fixa do clube, irá assumir o comando da equipe. A Sociedade Esportiva Palmeiras agradece os serviços prestados pelo treinador Oswaldo de Oliveira e deseja boa sorte na sequência de sua carreira. 

O presidente Paulo Nobre concederá entrevista coletiva ainda nesta terça-feira (09), às 16h30, na Academia de Futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.