Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

De muletas, Neymar chega para depor sobre a acusação de estupro

Atacante, que sofreu uma lesão no tornozelo direito pela seleção, estava acompanhado por advogados e seguranças

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2019 | 15h32

O atacante Neymar chegou por volta das 15h20 desta quinta-feira à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, em Santo Amaro, para depor sobre a acusação de estupro feita pela modelo Najila Trindade. Andando de muletas por causa da ruptura de ligamento no tornozelo direito que o tirou da Copa América, o atacante chegou acompanhado por advogados e seguranças.

Na chegada do comboio policial à delegacia, dezenas de pessoas se aglomeravam e algumas gritaram o nome do jogador: Neymar! Neymar. Não houve vaias. Ao entrar no local do depoimento, já dentro da delegacia, Neymar deu um leve aceno de cabeça para os jornalistas.

O atacante entrou pelo prédio da 11ª Delegacia de Polícia, prédio vizinho à delegacia da mulher e que se coloca no mesmo imóvel. Investigadores revelam que ele deverá fazer um breve pronunciamento na saída da delegacia.

Neymar é o último a depor no inquérito que investiga a suposta agressão sexual contra a modelo, que teria acontecido em Paris, no dia 15 de maio. Ele será ouvido pela delegada Juliana Bussacos, duas escrivãs e mais duas promotoras de Justiça de Enfrentamento à Violência que estão acompanhando o caso.

A Polícia Civil montou um amplo esquema de segurança. Só profissionais credenciados podiam acessar a área de estacionamento da delegacia, que foi reservada para a imprensa brasileira e internacional que está acompanhado o caso. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) interditou um quarteirão da rua Padre José de Anchieta, uma das vias mais movimentadas de Santo Amaro.

Uma estrutura com cavaletes isolou a única entrada da delegacia. Cinquenta policiais estão atuando apenas na parte interna da delegacia. O Grupo de Operações Especiais da polícia está na delegacia para garantir a segurança e restringir o acesso ao local. Todas as janelas do prédio onde está sendo dado o depoimento foram lacradas com papel pardo e preto.

Esse será o segundo depoimento de Neymar sobre o caso. O primeiro aconteceu no Rio de Janeiro, em 6 de junho, quando o atleta falou na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática por causa do vazamento de imagens íntimas da modelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.