Daniela Porcelli/CBF
Daniela Porcelli/CBF

De olho em Tóquio-2020, Pia aprova desempenho da seleção feminina em amistosos

A treinadora deu oportunidade para todas as 24 atletas convocadas nos três jogos (Holanda, França e Canadá)

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 10h34

Nas primeiras partidas neste ano como preparação para a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, a seleção brasileira feminina de futebol teve dois empates e uma derrota em torneio amistoso realizado na França. Com o objetivo de promover testes na equipe, a técnica sueca Pia Sundhage aprovou o desempenho contra Holanda (0 a 0), França (0 a 1) e Canadá (2 a 2).

A treinadora deu oportunidade para todas as 24 atletas convocadas. Diante do Canadá, na terça-feira, em Calais, as defensoras Rafaelle e Bruna Benites, que ainda não haviam atuando nos amistosos em solo francês, iniciaram a partida. Com a entrada das duas, o número total de jogadoras vistas em campo subiu para 43 entre as 46 chamadas em sete meses de trabalho. Apenas as goleiras Gabi e Carla e a meia Vitoria Yaya não atuaram.

"Tivemos muitas situações boas na defesa nos três jogos, mas quando olhamos o ataque também tivemos boas situações, especialmente nesse jogo. Nós falamos muito sobre defesa nos dois primeiros jogos, para esse mudamos o foco para o ataque, e eu estou feliz com o jeito que as atletas corresponderam. Algumas das jogadoras estão bem próximas dos Jogos Olímpicos. Nós iremos tentar nas próximas partidas dar mais chances às jogadoras. Mas no final de tudo, tivemos um elenco muito competitivo, esses três jogos nos deram muitas respostas", avaliou.

Contra o Canadá, a atacante Marta conseguiu marcar o seu primeiro gol sob o comando de Pia Sundhage. Com o Brasil, o último gol dela havia sido durante o Mundial de 2019, na vitória sobre a Itália por 1 a 0. Na ocasião, marcou o 17.º em Mundiais e se tornou a maior artilheira da história da competição.

"Estou feliz pelo gol, mas mais que isso, estou feliz pela oportunidade de ter jogado esses três jogos importantíssimos pra nossa preparação. Percebemos que precisamos melhorar muita coisa, mas estão todas dentro do nosso alcance, não é nada de absurdo. Temos que levar tudo que aprendemos com a Pia nesses três jogos, a questão técnica, tática e física, e continuarmos o trabalho nos nossos clubes", destacou.

A capitã da seleção brasileira atuou em todas as três partidas por cerca de 45 minutos. Como está em pré-temporada com seu clube, o Orlando Pride, nos Estados Unidos, a comissão técnica dosou os períodos da camisa 10 em campo. A última vez que Marta jogou por 90 minutos foi em novembro de 2019, no empate por 0 a 0 contra a China.

Marta elogiou as oportunidades dadas para todas as atletas e ressaltou que os testes fortalecem a equipe visando os Jogos Olímpicos. "Achei super importante a Pia dar oportunidade para todas as jogadoras. Isso é de suma importância para que possamos fortalecer o grupo ainda mais. A Pia vai levar para os Jogos Olímpicos aquelas que estiverem mais preparadas", completou.

A seleção volta a se reunir na próxima Data Fifa, entre os dias 6 a 14 de abril, para dois jogos preparatórios. No dia 8, o Brasil enfrenta a Costa Rica, na capital do país caribenho, em San José. Já no dia 14, as comandadas de Pia Sundhage terão as atuais campeãs mundiais, os Estados Unidos, pela frente, em San Jose, na Califórnia.

Tudo o que sabemos sobre:
futebol femininoPia SundhageMarta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.