De olho no Bragantino, Palmeiras treina em dia de festa

Evento na Academia de Futebol aproxima fãs de seus ídolos na véspera de partida decisiva pelo Paulistão

André Rigue, estadao.com.br

08 de março de 2008 | 12h18

Às vésperas do jogo contra o Bragantino, neste domingo, às 16 horas, no Marcelo Stefani, o clima no Palmeiras foi de festa no treino da manhã deste sábado. Vanderlei Luxemburgo deixou a seriedade de lado e comandou um rachão em campo reduzido, com equipes dividas como os times dos goleiros Marcos e Diego Cavalieri, que jogaram na linha, e o titular da meta palmeirense até marcou um gol. Veja também: Marcos, Oberdan Cattani e Ademir da Guia ganham homenagem Oberdan Cattani não acredita na classificação do Palmeiras Ao final do treino, aconteceu a festa 'Sociedade dos Eternos Palestrinos', um evento para sócios que compraram um título remido do clube vitalício, ao preço de R$ 8, 5 mil individual e familiar R$ 9,9 mil.  "O carinho do torcedor é importante, pois nós precisamos de apoio para nos classificar à fase final do Paulistão. Às vezes não temos tempo para ter um contato mais direto com os torcedores, por isso é importante um evento como esse", contou Marcos. Porém, mesmo com toda a festa, foi impossível para os jogadores não comentarem a situação do Palmeiras no Paulistão e o desafio de encarar o Bragantino em Bragança Paulista, onde a equipe alviverde não joga há 10 anos, além de não vencer no Marcelo Stefani há 13 (a última foi em 1995, por 2 a 0). "Queremos alcançar a semifinal. O jogo contra o Bragantino será difícil, mas precisamos vencer. Já estou preparado para sofrer uma forte marcação, principalmente em campos pequenos e ruins como os do interior", explicou o meia chileno Valdívia, que renovou seu contrato com o clube até dezembro de 2009. A grande novidade palmeirense para a partida será o atacante Kléber, que entra no lugar do volante Wendel. Ele espera se firmar no clube e fazer com que a torcida esqueça o fato de que ele apareceu no futebol vestindo a camisa do arqui-rival São Paulo antes de se transferir para o ucraniano Dínamo de Kiev. "Minha característica não é a de ser goleador, por isso não sei se conseguirei substituir a imagem de um atacante que marcou sua passagem no clube como o Vagner Love, mas espero sim fazer sucesso com a torcida palmeirense. Ainda preciso adquirir mais ritmo de jogo, mas estou pronto para encarar o desafio", concluiu o jogador.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.