De técnico novo, Guarani perdoa Viola

O Guarani viveu mais um dia de muita movimentação, com a chegada da nova comissão técnica. Agnaldo Liz já assumiu à tarde as funções antes exercidas por Lori Sandri, que ficou apenas 28 dias no cargo e deixou o time na vice-lanterna do Campeonato Brasileiro, com 24 pontos. Mas a grande novidade é o perdão ao atacante Viola, que tinha sido afastado sem maiores explicações.Junto com Liz, de 36 anos, chega uma equipe indicada pela Federação Paulista de Futebol, que promete apoio político e financeiro ao clube paulista na sua luta contra o rebaixamento para a Série B. Os salários do clube estão há dois meses atrasados.A nova comissão técnica conta com dois auxiliares, Edinho e Ivan Almeida, o fisicultor Luis Inarra, ex-Fluminense, e o treinador de goleiro Rafael Cammarota, ex-goleiro da Ponte Preta na década de 70. O novo supervisor de futebol é José Eduardo Chimello, com passagens por muitos clubes como São Paulo, Bragantino, Ponte Preta, Flamengo e Portuguesa.O valor do pacotão imposto pela Federação Paulista não foi revelado, nem se a entidade vai bancar os salários dos novos profissionais. O presidente José Luiz Lourencetti, que tem sido muito cobrado pela torcida, assumiu a responsabilidade total pelo futebol e diz que só ele vai responder pela área a partir de agora, embora não seja do ramo e tenha formação da área social do clube.Agnaldo Liz, ex-zagueiro do Vitória, Palmeiras, Grêmio, Flamengo e do próprio Guarani, começou a carreira de técnico ano passado no Tubarão, de Santa Catarina. No início do ano assumiu o Vitória, onde sagrou-se campeão baiano. Dirigiu o rubro-negro em 11 jogos do Campeonato Brasileiro, com saldo de 50% de aproveitamento. Em 11 jogos, venceu cinco, perdeu cinco e empatou uma vez. Apesar de reconhecer as dificuldades que terá pela frente, Liz mostrou confiança. "Temos que tentar unir o grupo e juntos buscar as saídas para o time", comentou, confirmando que pediu a reintegração de Viola. "A sua experiência é indispensável neste momento", completou. O afastamento de Viola aconteceu na saída do técnico Zetti. Havia um antigo desentendimento entre os dois, além disso Viola tem o maior salário do clube: R$ 80 mil. Desde então, o ex-corintiano, vinha treinando em separado. "Até agora não entendi porque fui afastado, mas sou funcionário do clube e vou cumprir minhas obrigações". Viola ficou 9 jogos fora do tim e, mesmo assim é o seu artilheiro com quatro gols. Seu último jogo foi dia 25 de julho contra o Vitória, na derrota de 3 a 2.O presidente promete buscar reforços. Dois nomes estão cotados. Um deles é o meia Aílton, reserva do São Paulo, e que teve destacada atuação no Paulista de Jundiaí no primeiro semestre. Outro é o lateral-esquerdo Rubens Júnior, ex-Coritiba, Palmeiras e do próprio Guarani que há cinco anos e dois meses está atuando na Europa. Seu vínculo com o Porto termina em 10 meses, mas ele não será aproveitado nesta temporada e pode antecipar seu retorno ao Brasil.Sem pensar nos reforços, Agnaldo Liz comandou seu primeiro treinamento no Campo da Rhodia, em Paulínia, no período da tarde. Ele prefere aguardar os próximos treinos antes de definir o time que enfrentará o São Paulo, sábado à tarde, no Morumbi.Liz é o quarto técnico do Guarani no Brasileiro. Antes deles tentaram organizar o elenco Joel Santana, Zetti e Lori Sandri. "Espero que seja o quarto e o último da temporada. Sei do meu desafio, mas me preparei muito para ser técnico", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.