De técnico novo, Guarani tenta reação

Para contrariar as chances de 93% de chances de ser rebaixado no Campeonato Brasileiro, o Guarani enfrenta o Cruzeiro neste domingo, às 16 horas, no estádio Brinco de Ouro. A principal novidade do lanterna, com apenas 31 pontos, será a estréia do técnico Jair Picerni, o quinto do clube na competição.A exemplo de seus antecessores, Picerni apresenta um discurso otimista. "Não vamos buscar um milagre, mas lutar por vitórias que podem nos livrar da Série B". Mas se depender do retrospecto do time neste ano, ele terá muito trabalho. O Guarani tem o pior ataque, com 29 gols, e apenas seis vitórias, o menor número entre todos os participantes.O retrospecto do técnico no clube também é ruim. Em sua passagem pelo Brinco de Ouro em 2002, ele conquistou apenas 37 33% dos pontos disputados. Foram 25 jogos, com sete vitórias, sete empates e 11 derrotas. Naquele ano, o Guarani terminou o Brasileirão em 16º lugar, não se classificando para a segunda fase.Para evitar o rebaixamento, o Guarani precisa vencer sete dos 11 jogos que disputará com aproveitamento de 65%, igual ao do líder Atlético-PR. A média dos técnicos anteriores, era de apenas 30%. Passaram pelo comando do time Joel Santana, Zetti, Lori Sandri e Agnaldo Liz.Desde segunda-feira Picerni comanda o time que passou a semana na estância hidromineral de Serra Negra, no interior de São Paulo. A sua idéia era montar o time com apenas um volante, mas a inesperada contusão do meia Harison, com problemas no joelho direito, alteraram seus planos. O time foi escalado com o volante Roberto ao lado do também volante Marcos Paulo, dentro do esquema 4-4-2.O zagueiro Carlinhos cumpre suspensão automática e em seu lugar entra Juninho. A diretoria não fez promoção nos preços dos ingressos, alegando pr oibição da CBF.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.