Frank Fife/AFP
Frank Fife/AFP

De Villiers vence 9ª etapa do Rally Dakar e Nasser Al-Attiyah encaminha tetra

Competidor sul-africano fatura curta especial de 287km em Wadi Ad Dawasir, na Arábia Saudita, em dia de pódio dominado pela Toyota

Redação, Estadão Conteúdo

11 de janeiro de 2022 | 13h38

A terça-feira do Rally Dakar foi amplamente favorável à Toyota, que venceu a nona especial da disputa, realizada em laço na cidade de Wadi Ad Dawasir, na Arábia Saudita, e está cada vez mais perto de vencer novamente o maior rali do mundo. O sul-africano Giniel de Villiers, campeão em 2009, venceu a curta especial de 287km. A marca japonesa protagonizou o pódio da etapa com o sul-africano Henk Lategan, apenas nove segundos atrás do ganhador, e o catariano Nasser Al-Attiyah, líder geral da disputa dos carros e terceiro com 1min04s de atraso.

Durante boa parte da disputa, Mattias Ekström beliscou o pódio e chegou a andar em terceiro. Entretanto, o sueco, vencedor da especial de segunda-feira, perdeu um pouco de tempo na comparação com Al-Attiyah e terminou em quarto lugar.

Sébastien Loeb, por sua vez, perdeu terreno na luta pelo título que trava com Al-Attiyah. O francês, lendário eneacampeão mundial de rali, terminou a especial em quinto, mas com diferença bastante apertada pra De Villiers: apenas 2min11s.

Al-Attiyah está a apenas três dias de confirmar a conquista do tetracampeonato do Dakar nos carros. O veterano de 51 anos tem 39min05s de vantagem para Loeb, enquanto que Yazeed Al-Rajhi, que concluiu a especial desta terça-feira em 14., segue em terceiro na classificação geral, com 58min44s de atraso.

Motos

A batalha pelo título do Dakar na competição das motos segue empolgante e imprevisível. Nesta terça-feira, o chileno José Ignacio "Nacho" Cornejo Florimo, da Honda, venceu a especial com Kevin Benavides, atual campeão e piloto da KTM, em segundo, e Ricky Brabec, outro piloto da Honda, a completar o Top 3. Mas é possível dizer que o grande vencedor do dia foi outro competidor da KTM: Matthias Walkner.

Campeão do Dakar em 2018, o austríaco terminou a especial em laço na quarta colocação. Em etapa muito apertada, até pelo fato também de ter sido mais curta que o habitual, os cinco primeiros foram separados por apenas 2min10s. O quinto colocado do dia foi Joan Barreda, também da Honda, que ainda sustenta chances de título.

Em contrapartida, Sam Sunderland, que havia retomado a liderança do Dakar na disputa das motos com a GasGas na segunda-feira, teve uma jornada complicada nesta nona etapa da competição e terminou a especial apenas em 14.º, com 8min13s de atraso para o vencedor do dia.

Desta forma, o Dakar viu uma nova mudança na liderança da competição quando restam três etapas para o desfecho da prova. Os seis primeiros colocados despontam com chances reais de chegar ao título do maior rali do mundo em 2022.

Walkner colocou a KTM na liderança geral pela primeira vez nesta edição. O austríaco tem 2min12s de vantagem para Sunderland, enquanto que Adrien Van Beveren, da Yamaha, nono colocado na etapa, agora está em terceiro, com 3min56s de déficit para Walkner. Pablo Quintanilla, chileno da Honda, está em quarto depois de ter finalizado a etapa do dia na oitava posição. O sul-americano está 10min22s atrás da liderança, enquanto que Benavides, outro em ascensão na prova, está em quinto, com 10min57s de atraso.

Joan Barreda é outro que ainda sustenta chances de título. Sexto colocado, o espanhol está a 10min57s do tempo total de prova logrado até agora por Matthias Walkner. O austríaco, bastante experiente, deixou claro que nada ainda está definido e que ainda há muito a ser disputado no Dakar.

Brasil

O piloto americano Austin Jones e o navegador brasileiro Gustavo Gugelmin deram mais um passo para a conquista do Dakar na disputa dos UTVs (ou SSV). A dupla terminou a disputa da nona etapa na segunda colocação, terminando a apenas 58 segundos da tripulação vencedora, formada pelos poloneses Marek Goczal e Lukasz Laskawiec. A Polônia, aliás, segue muito forte na prova. Depois de novo 1-2 na competição, o país garantiu mais um pódio com duas duplas, já que Michal Goczal - irmão de Marek - foi o terceiro ao lado de Szymon Gospodarczyk.

Rodrigo Luppi e Maykel Justo desta vez enfrentaram uma especial mais limpa e sem os problemas dos dois dias anteriores. A dupla brasileira da equipe South Racing levou o UTV da Can-Am à quarta colocação da etapa depois de ter chegado a liderar durante parte do trecho da especial e terminou a 4min07s do tempo dos vencedores da etapa.

Em termos de classificação geral, Jones e Gugelmin lideram a disputa do Dakar nos UTVs. Contudo, com três etapas ainda pela frente, a vantagem para a dupla segunda colocada está longe de ser confortável. São apenas 13min47s de frente para Farrés Guell e Diego Ortega, enquanto que os poloneses Michal Goczal e Gospodarczyk aparecem em terceiro, com 16min27s atrás. Luppi e Justo estão em sexto no geral, distantes 1h02min53s da liderança da disputa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.