Miguel Locatelli/Atlético-PR
Miguel Locatelli/Atlético-PR

De virada, Atlético-PR bate Botafogo e segue imbatível na Arena da Baixada

Rubro-negro mantém boa fase com vitória por 2 a 1, na Arena da Baixada

Estadão Conteúdo

27 Outubro 2018 | 23h10

O Atlético-PR venceu o Botafogo, por 2 a 1, de virada, neste sábado à noite na Arena da Baixada pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro e chegou à marca inédita de 12 vitórias seguidas em sua casa - dez delas somente no Brasileirão. O time de Curitiba agora soma 43 pontos, em oitavo lugar, enquanto o time carioca permanece com 35 pontos, em 14º.

Mas a vitória não foi conquistada de maneira tranquila, porque o técnico Tiago Nunes escalou um time reserva no início do jogo de olho na disputa da Copa Sul-Americana. Na quarta-feira, o time paranaense faz o jogo de volta diante do Bahia, após vencer em Salvador por 1 a 0. Um empate já serve para o Atlético-PR chegar às semifinais.

O Botafogo também se preparou bem para este jogo. O técnico Zé Ricardo optou por improvisar Marcelo Benevenuto na lateral direita e colocar Matheus Fernandes como volante. Com isso fez duas linhas de marcação e dificultou as trocas de passes atleticanas. O time da casa manteve maior posse de bola, porém não conseguiu as infiltrações. A alternativa foi arriscar os chutes de longa distância, mas Saulo não vacilou em nenhum deles.

Bem armado defensivamente, o time carioca usava bem os contra-ataques. Num deles fez seu gol. Gilson desarmou Rony, entregou para Leo Valencia e foi receber na frente. Ao entrar na área foi atingido por Bruno Guimarães, em penalidade confirmada pelo árbitro paulista Marcelo Aparecido de Souza. Os donos da casa reclamaram dos dois lances: pediam falta em cima de Rony e não aceitavam a marcação da penalidade máxima. Na cobrança, Brenner chutou no canto direito e confirmou o gol aos 29 minutos.

A sequência destes lances - falta, pênalti e gol - desestabilizaram emocionalmente o Atlético-PR. Seus jogadores passaram a errar passes e não chegaram mais no ataque com perigo. Tanto que no intervalo desceram para os vestiários sob as vaias da torcida.

Na volta, o Atlético-PR começou diferente e com muita velocidade. O gol de empate saiu aos 10 minutos. Guilherme fez o cruzamento e o zagueiro Igor Rabello tentou cortar. A bola subiu muito e Bergson acompanhou a sua trajetória para pegar de primeira, com uma perfeita virada. Um gol com muita qualidade técnica.

Assustado com o novo ritmo imposto pelo mandante, o Botafogo recuou e se fechou. A partir daí, o jogo ficou praticamente com um time só no ataque: o Atlético-PR. Os anfitriões ganharam mais força com as entradas de Nikão e Pablo. Aos 38 minutos, Pablo anotou o gol da vitória. Ele recebeu passe diagonal de Nikão e bateu forte. A bola rasteira passou entre o goleiro Saulo e a trave. Foi o 12º gol dele na competição.

Nikão quase ampliou aos 42 minutos, após desviar cruzamento de Rony. Na verdade, Saulo fez uma grande defesa e evitou um vantagem maior no placar.

Os dois times voltam a campo no próximo domingo, dia 4. O Atlético-PR vai enfrentar o Internacional, às 19 horas, no Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). O Botafogo vai receber o Corinthians, às 17 horas, no Engenhão.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-PR 2 x 1 BOTAFOGO

ATLÉTICO-PR - Felipe Alves; Diego Ferreira, Wanderson, Thiago Heleno e Márcio Azevedo; Bruno Guimarães, Camacho (Matheus Rossetto), Guilherme e Bergson (Pablo); Marcinho (Nikão) e Rony. Técnico: Tiago Nunes.

BOTAFOGO - Saulo; Marcelo Benevenuto, Joel Carli, Igor Rabello e Gilson; Matheus Fernandes (Gustavo Bochecha), Rodrigo Lindoso e Leo Valencia; Luiz Fernando, Erik (Renatinho) e Brenner (Aguirre). Técnico: Zé Ricardo.

GOLS - Brenner (pênalti), aos 29 minutos do primeiro tempo. Bergson, aos 10, e Pablo, aos 38 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Guilherme e Bergson (Atlético-PR); Saulo, Matheus Fernandes, Marcelo Benevenuto, Luiz Fernando e Joel Carli (Botafogo).

ÁRBITRO - Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP).

RENDA - R$ 132.960,00.

PÚBLICO - 8.188 pagantes.

LOCAL - Arena da Baixada, em Curitiba (PR).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.