De virada, Brasil vence a Argentina no Superclássico das Américas

Com gol de pênalti aos 47 do segundo tempo, seleção vence arquirrival por 2 a 1 em Goiânia.

O Estado de S. Paulo

20 Setembro 2012 | 00h07

GOIÂNIA - Com gol de pênalti aos 48 minutos do segundo tempo, a seleção brasileira bateu a Argentina por 2 a 1, nesta quarta-feira, no Serra Dourada, em Goiânia, e saiu na frente no Superclássico das Américas. Neymar, na penalidade, e Paulinho foram os responsáveis pelos gols que deixaram o Brasil em vantagem para o segundo jogo do duelo amistoso.

Por conta da vitória, apertada, a seleção jogará por um empate no dia 3 de outubro, na cidade argentina de Resistência, para ficar com o segundo troféu do confronto - o Brasil venceu o primeiro Superclássico, em 2011.

A julgar pelo duelo desta noite, a seleção de Mano não encontrará facilidade fora de casa, apesar do rival só contar com jogadores que atuam em seu país e no Brasil. Sem Messi e companhia, a Argentina contou com Guiñazu, Barcos e Martínez, autor do primeiro gol da partida.

Sem seus principais craques, que jogam no exterior, a Argentina jogou recuada, apostando nos contra-ataques, diante de uma seleção brasileira com sérias dificuldades na armação. Pouco objetiva, a equipe de Mano, por sua vez, sofreu para furar a zaga adversária e só conseguiu balançar as redes em lances de bola parada.

O JOGO

A opção ofensiva de Mano Menezes, que escalou um trio de ataque formado por Lucas, Neymar e Luis Fabiano, demorou para dar resultados no primeiro amistoso do Superclássico. Apesar do entrosamento entre os jogadores do São Paulo, que cedeu ainda Jadson para formar o meio-campo, o Brasil não conseguia ir além de inúmeras trocas de passe no primeiro tempo.

Sem qualquer sinal de objetividade, a seleção de Mano praticamente não criou chances de gol até os 20 minutos. Nem em jogadas individuais de Neymar foi possível empolgar a torcida goiana presente no Serra Dourada. A posse de bola dos brasileiros, contudo, batia em 70%.

O domínio em campo acabou sendo neutralizado em apenas um lance dos argentinos, que adotavam clara postura defensiva desde o início. O rival estava mais preocupado em marcar os anfitriões até que uma rápida jogada pela esquerda abriu o placar. A boa troca de passes na entrada da área, envolvendo Guiñazu, resultou em finalização certeira de Martínez, bem posicionado, aos 19 minutos.

O gol fez o Brasil acelerar o jogo, principalmente no meio-campo, mas não supriu as carências na armação. Assim, o empate só foi possível graças a um lance de bola parada. Neymar cobrou falta da direita, na área, e Paulinho, em posição de impedimento, escorou de cabeça, aos 25.

O segundo tempo não sofreu maiores mudanças, apesar das entradas de Thiago Neves, Wellington Nem e Leandro Damião no Brasil. A seleção continuou ditando o ritmo da partida, com maior iniciativa, mas com a mesma lentidão na armação, diante do bom posicionamento argentino na defesa.

O primeiro lance de perigo da etapa só aconteceu aos 19. E veio dos pés dos argentinos. Barcos puxou contra-ataque e acionou Martínez, que limpou para chute perigoso de Clemente Rodríguez. Dedé chegou a tempo de evitar a finalização.

O Brasil só respondeu aos 27. Paulinho, novamente em posição irregular, recebeu dentro da área e mandou para as redes. Desta vez, porém, o assistente marcou o impedimento. Em outro lance, Neymar aproveitou sobra dentro da área, mas teve sua finalização bloqueada pela zaga.

Com tanta dificuldade para furar o bloqueio argentino, o Brasil só conseguiu chegar ao segundo gol em novo lance de bola parada. Desábato acertou a mão na bola dentro da área e o árbitro assinalou o pênalti. Na cobrança, Neymar bateu firme no alto e garantiu a vitória brasileira, aos 48 minutos do segundo tempo.

Depois dos dois amistosos com a Argentina, a seleção fará dois jogos em outubro. No dia 11, o Brasil vai enfrentar o Iraque, do técnico brasileiro Zico, na Suécia. Cinco dias depois, o adversário será o Japão, na Polônia.

BRASIL 2 x 1 ARGENTINA

BRASIL - Jefferson; Lucas Marques, Dedé, Réver e Fábio Santos; Ralf, Paulinho e Jadson (Thiago Neves); Lucas (Wellington Nem), Luis Fabiano (Leandro Damião) e Neymar. Técnico: Mano Menezes.

ARGENTINA - Ustari; Lisandro (Vergini), Desábato, Sebá Domínguez; Peruzzi, Clemente Rodríguez, Maxi Rodríguez, Braña e Guiñazu; Martínez (Somoza) e Barcos (Funez). Técnico: Alejandro Sabella.

GOLS - Martínez, aos 19, e Paulinho, aos 25 minutos do primeiro tempo. Neymar (pênalti), aos 48 minutos do segundo tempo. CARTÕES AMARELOS - Paulinho, Neymar, Desábato. ÁRBITRO - Carlos Amarilla (Fifa/Paraguai). RENDA - R$ 2.700.670,00. PÚBLICO - 34.537 pagantes. LOCAL - Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO).

 

MINUTO A MINUTO

SEGUNDO TEMPO

48 min - É fim de jogo. Com a vitória, a torcida esquece as críticas e festeja a vitória. Em campo, os argentinos reclamam muito da arbitragem.

47min - GOL DO BRASIL! Neymar cobra o pênalti com um chute forte e no ângulo: 2 a 1 Brasil, de virada em Goiânia.

47 min - PÊNALTI!! O zagueiro Desabato bate o braço na bola dentro da área. O árbitro Carlos Amarilla, bem colocado, marca o pênalti.

46 min - Desabato leva o cartão amarelo.

45 min - O Brasil pressiona, em busca do segundo gol, mas sem conseguir furar o bloqueio da defesa argentina.

43 min - Neymar leva o amarelo.

42 min - Segnda mudança na Argentina. Sai martinez, entra Somoza.

39 min - Neymar tem nova chance de marcar. Depois de boa jogada e cruzamento de Paulinho, o artacante do Santos recebe a bola livre, mas chuta em cima da zaga.

36 min - Neymar recebe em condições de chutar. Ele corta para o meio e, em vez de arriscar o arremate, prefere tentar cavar o pênalti. o árbitro não marca nada.

35 min - Paulinho lava o cartão amarelo

31 min - A torcida goiana não aprova a decisã de Mano. Começam os gritos de "volta, Felipão" e "adeus, Mano".

30 min  - A Argentina muda. Sai Barcos, entra Funez. No Brasil, Mano mexe pela última vez. Lucas dá lugar a Wellington Nem.

28 min - Barcos arrisca de fora da área, mas manda a bola para bem longe da meta de Jefferson.

26 min - NÃO VALEU! Paulinho aparece cara a cara com Ustari e manda a bola para o gol, mas desta vez a arbitragem, atenta, assinala o impedimento.

22 min - Mano muda de novo. Sai Luis Fabiano e entra Leandro Damião.

19 min - No melhor lance da Argentina após o gol, Clemente rodrigues recebe dentro da área, mas é travado na hora do arremate.

18 min - Neymar cruza a bola, Ustari sai, pega, mas deixa escapar. Para a sorte dele, não há nenhum jogador brasileiro por perto.

16 min - Substituuição no Brasil. Sai Jadson. Entra Thiago Neves.

15 min - Jadson recebe a bola de Lucas na entrada da área e arrisca. A bola passa por cima do gol.

11 min - Barcos tem no ataque da Argentina a mesma dificuldade que Luis Fabiano tem no Brasil. Ambos estão isolados e pouco participam do jogo.

7 min - Lucas continua sendo a melhor alternativa do ataque do Brasil. Ele dribla o marcador e cruza, mas não acha ninguém na área para concluir.

4 min - Ralf derruba Maxi Rodriguez perto da área. Braña cobra, mas manda a bola na barreira.

2 min - Mano Menezes orienta os jogadores do sistema ofensivo a priorizarem jogadas pelos lados do campo. Lucas, pela direita, e Neymar, pela esquerda, são os responsáeis pela estratégia.

1 min - Brasil e Argentina voltam para o segundo tempo sem substituições.

INTERVALO

FRASES

Jefferson: "A gente tem que ter paciência e tocar a bola para furar o bloqueio deles."

O goleiro, capitão da seleção na partida, elogia o comportamento da torcida: "Com o apoio deles vamos buscar a virada."

PRIMEIRO TEMPO

45 min - Carlos Amarilla acaba com a primeira etapa sem nenhum acréscimo. 

43 min - O primeiro tempo vai chegando ao final com o Brasil acuado e buscando sair no contra-ataque, mas sem sucesso, e a Argentina tocando a bola, mas sem conseguir entrar na defesa rival.

41 min - Neymar tenta puxar um contra-ataque sozinho, mas logo é cercado por cinco argentinos e perde a bola.

35min - O Brasil começa a tentar equilibrar o time. Fabio Santos passa a ser mais presente no ataque, pelo lado esquerdo. Na direita, Lucas  e Lucas Marques ocupam a mesma faixa do gramado.

33 min - Os erros de passe de ambos os times limita as ações da partida numa estreita faixano meio de campo. Vez ou outra uma das duas seleções consegue escapar, mas sem dar sequência ou criar grande perigo.

29 min - Agora é a vez da Argentina segurar a bola e tocar de um lado para o outro. Mas Lucas consegue tomar a bola e puxar contra-ataque bem trabalhado entre ele, Neymar e Luis Fabiano.

25 min - GOL DO BRASIL! Neymar cobra falta para a área e Paulinho, em posição irregular, cabeceia e empata o jogo.

23 min - Jadson acha Neymar na área, dá passe preciso, mas o atacante santista, na tentativa de cruzar a bola, erra o lance.

20 min - Logo no primeiro ataque depois de sofrer o gol, o Brasil perde chance clara de empatar. Lucas se infiltra pel direita, cruza rasteiro para Luis Fabiano, que chuta mal, por cima e para longe do gol.

19 min - GOL DA ARGENTINA! Grande triangulação do ataque da Argentina envolve a defesa do Brasil. No meio da área, o corintiano Martinez arremata de primeira e abre o placar.

17 min - A armação da Argentina fica a cargo de Braña, o único meio-campista do time que não tem características mais defensivas.

13 min - Luis Fabiano está muito isolado, no meio da marcação do trio de zagueiros argentinos. Neymar tem sido obrigado a buscar jogo no meio de campo.

12 min - O time brasileiro mostra bastante paciência, ao não rifar a bola com chutões da defesa para o ataque, mas também não consegue levar adiante suas tentativas de apertar os argentinos.

8 min - A seleção gira a bola de um lado para o outro na tentativa de abrir espaços na forte e bem posicionada defesa da Argentina.

6 min - O Brasil, bem marcado, força a jogada pelo lado direito do campo, apostando em dribles de Neymar e Lucas.

5 min - A Argentina tenta fechar a saída de bola do Brasil, fazendo marcação no campo de ataque. O Brasil vai precisar contar com bom passe dos volantes.

3 min - A Argentina é a primeira a chegar perto do gol, mas sem perigo para Jefferson

1 min - Começou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.