De virada, Corinthians derrota Juventus

Oswaldo de Oliveira teve nesta quinta-feira à noite a exata noção do que o espera à frente do Corinthians. Em sua estréia no comando da equipe, a vitória de virada sobre o Juventus por 3 a 2, no Pacaembu, não foi capaz de esconder os erros de uma grupo apático e sem muito futuro. O resultado, ao menos, levou o Corinthians à quarta colocação do Grupo 1 do Campeonato Paulista, com oito pontos. Domingo, o adversário será a Ponte Preta, em Campinas. Falta de atitude. A expressão, utilizada pelo zagueiro Valdson ao final do primeiro tempo, retrata com fidelidade o futebol do Corinthians nesta etapa. Às claras limitações do elenco, somou-se a falta de inspiração de peças chave da equipe: Adrianinho, Regis Pitbull e Gil se esconderam. Sem um homem de criatividade, o Corinthians recorreu ao lateral-esquerdo Fininho, até outro dia a quarta opção para a posição, para chegar à área do Juventus. Mas nas poucas jogadas construídas com lucidez, a equipe careceu de um atacante com a mínima competência para colocar a bola dentro do gol. Regis Pitbull, que chorou ao ser apresentado no Parque São Jorge, nesta quinta-feira certamente provocou o mesmo sentimento em grande parte da torcida. E Gil não lembra em nada o jogador moderno que chegou à seleção brasileira. O Juventus, que nada tinha a ver com isso, fez sua parte. Tocando a bola com competência, abriu o placar aos 15 minutos com Wellington Paulista. O placar de 1 a 0 se manteve até o final da etapa inicial para desespero dos torcedores. Mas a necessidade de buscar a vitória para não se afastar dos primeiros colocados do Grupo 1 do Paulista fez Oswaldo de Oliveira ousar durante o intervalo. Ao apostar no jovem Wilson em lugar de Samir, colocou fogo no jogo. O Corinthians tomou a iniciativa, mas recebeu um duro castigo aos seis minutos, quando Wellington Paulista marcou o segundo gol do time da Mooca. Mas a vitória juventina, que parecia certa, começou a ficar ameaçada aos 20 minutos. Em um choque entre Itabuna e Gil dentro da área, o árbitro Robério Pires marcou pênalti e expulsou o lateral do Juventus. Coelho cobrou com categoria e diminuiu. "Fiz o meu papel no lance. Senti que me empurraram e esperei a posição do árbitro", disse Gil. Já sem Regis, substituído por Jô, o Corinthians buscava o empate mais na base da vontade do que da técnica ou organização tática. E chegou ao gol aos 36 minutos com Wilson, aproveitando-se de um rebote do goleiro Fernando. Dois minutos depois, Coelho definiu a vitória corintiana: 3 a 2.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.