De virada, Santos derrota Ponte por 4 a 3

O Santos deu outro show de bola em Campinas, neste domingo à tarde, quando venceu a Ponte Preta, por 4 a 3, num grande jogo disputado no Estádio Moisés Lucarelli. O campeão brasileiro venceu seu sexto jogo consecutivo e conseguiu sua nona virada na competição. Mesmo fazendo sua parte, o time santista continua na vice-liderança do Campeonato Brasileiro, com 82 pontos, seis a menos do que o líder Cruzeiro. O time campineiro completou 119 dias sem vencer em casa, caindo para a 22º lugar e ficando de vez na zona do rebaixamento. Os times entraram em campo dispostos a brigar pela vitória. A Ponte para acabar com jejum sem vencer diante de sua torcida e o Santos para continuar correndo atrás do líder Cruzeiro. Talvez, por isso, o jogo começou franco e aberto, com alternativas. A Ponte manteve o seu confuso esquema 3-5-2, deixando muitos espaços pelas laterais. O Santos não teve dúvidas em explorar o lado direito do seu ataque, principalmente com Elano caindo nas costas de Ronildo e aproveitando a insegurança do jovem Rafael Santos. Mas quem saiu na frente foi a Ponte Preta. O zagueiro Alex salvou o gol aos oito minutos num chute cruzado de Marquinhos. Na cobrança de escanteio, Ronildo bateu com efeito e Rodrigo se antecipou à defesa tocando com o pé direito. A bola morreu no ângulo direito de Júlio Sérgio, que substituiu Fábio Costa, machucado. Mas o Santos imprimiu um ritmo forte, dominando o meio-de-campo e criando várias chances de gol. Diego acertou um chute cruzado aos 11, Elano chutou bem perto aos 15 e Fabiano à queima-roupa exigiu grande defesa do goleiro Lauro aos 21 minutos. O gol do empate estava maduro. E saiu aos 23 minutos, quando Fabiano tocou para Robinho que balançou o corpo na frente dos zagueiros e rolou para Elano, do lado direito, bater cruzado: 1 a 1. O esperto Jean desempatou o jogo aos 31 minutos num lance individual. Entrou pelo lado esquerdo, batendo com o pé direito de fora da área. A bola desviou nas pernas de Alex, atrapalhando a defesa de Júlio Sérgio. Ponte: 2 a 1. O Santos não desistiu conseguindo o empate no final do primeiro tempo. Diego entrou na área driblando a defesa toda quando foi calçado por Rodrigo: pênalti. Aos 45 minutos, Diego cobrou forte para empatar: 2 a 2. No intervalo, o técnico Abel Braga não se conteve. "Nossa defesa está respeitando demais o Diego: diz entra sua excelência..." Emerson Leão, do Santos, gostou do empenho de seus jogadores, mas disse que o jogo ?podia estar melhor". O Santos voltou mudado para o segundo tempo. Elano, cansado, com enjôos e vômito, saiu para a entrada de Jerri. O fraco Neném também ficou no vestiário para a entrada de Reginaldo Araújo na lateral-direita. Os times sentiram o forte calor, diminuindo o ritmo de jogo. A Ponte assustou aos 13 minutos, com um chute de Conceição que desviou em André Luis e bateu na trave antes de ir para escanteio. Mas a Ponte "entregou o ouro" aos 16 minutos, quando Rodrigo tentou sair jogando, perdeu para Fabiano e a bola sobrou para Diego que ajeitou e chutou forte da entrada da grande área. Santos, pela primeira vez, na frente: 3 a 2. Abel ganhou fôlego com as entradas de Lucas e Luizinho Vieira, respectivamente, nos lugares de Piá e Ronildo. Na direita, Vaguinho substituiu a Marquinhos. O empate saiu num lance acidental, quando Vaguinho fez o cruzamento, a defesa aliviou mas a bola sobrou para o chute rasteiro de Luizinho Vieira. Aos 30 minutos: 3 a 3. Mas nem deu tempo para a torcida comemorar. Dois minutos depois Reginaldo Araújo desceu livre pelo lado direito e cruzou na medida para Renato que pegou de voleio. Santos, 4 a 3, aos 32 minutos. A Ponte, no desespero, ainda tentou o empate, mesmo correndo o risco de sofrer mais gols nos contra-ataques. Mais nenhum gol aconteceu, nem precisava para fazer justiça no placar. A Ponte volta a campo, dia 22, contra o Coritiba, na capital paranaense. O Santos receberá, na Vila Belmiro, o ascendente Fluminense, domingo, dia 23.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.