Juan Carlos Hidalgo / EFE
Juan Carlos Hidalgo / EFE

De volta à seleção espanhola, Villa diz se sentir como um iniciante

Atacante de 35 anos não joga pelo time nacional desde 2014; próximo jogo é decisivo por vaga na Copa de 2018

Estadão Conteúdo

29 de agosto de 2017 | 11h10

O atacante David Villa declarou nesta terça-feira saber que a sua história na seleção espanhola está no passado e que precisará provar o seu valor novamente. Três anos após a sua última partida pela seleção da Espanha, o veterano foi a surpresa na lista de convocados divulgada pelo técnico Julen Lopetegui para o decisivo duelo de sábado com a Itália pelas Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2018.

O jogador, de 35 anos, do New York City FC disputou as últimas três Copas do Mundo pela Espanha, mas assegurou que sente como se estivesse começando do zero. "Há três anos que estive aqui, então eu tenho que conquistar o direito de jogar novamente. O que aconteceu no passado não significa qualquer coisa agora. Espero que eu treine bem esta semana e o treinador possa ver que eu posso ajudar", afirmou, nesta terça-feira.

A Espanha recebe a Itália em Madri em um dos jogos mais esperados das Eliminatórias Europeias, com o vencedor ficando em boa posição para garantir uma vaga na Copa do Mundo do próximo ano na Rússia. As equipes têm campanhas idênticas, com cinco vitórias cada, além do empate entre elas em Turim no ano passado. Somente o primeiro colocado do grupo estará automaticamente qualificado. A Espanha joga contra Liechtenstein, fora de casa, na sequencia, na próxima terça.

A última partida de Villa pela Espanha foi na Copa do Mundo de 2014, quando a Espanha foi eliminada na fase de grupos com atuações decepcionantes. "Minha função é a mesma que antes. Estou aqui para acrescentar. Eu sou apenas mais um jogador da equipe e vou dar tudo o que posso para tentar ajudar a equipe a derrotar a Itália. Eu farei o que for solicitado a mim dentro e fora de campo. Eu quero ajudar de qualquer maneira possível. Tem sido fantástico estar aqui. Isto não será uma decepção se eu não jogar", afirmou.

Villa garantiu que nunca se aposentou oficialmente da seleção da Espanha após a Copa do Mundo de 2014, avaliando que foi mal interpretado ao dizer que seria difícil voltar a jogar pela equipe após se transferir para os Estados Unidos, que tem uma temporada mais curta do que as principais ligas europeias.

"Eu sempre disse que permanecia esperançoso de voltar. Mas eu fui realista e sabia que seria difícil considerando todos os atacantes de qualidade disponíveis para jogar pela Espanha", afirmou.

Villa disputou 97 jogos pela seleção da Espanha e é seu artilheiro histórico com 59 gols marcados. A sua convocação por Lopetegui tem relação com a ausência de Diego Costa, que está sem atuar pelo Chelsea e com o seu futuro incerto por desentendimentos com o técnico Antonio Conte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.