Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

De volta à Vila após 1 mês e com maior público no ano, Santos desafia retrospecto

Time venceu apenas dois dos cinco duelos disputados no centenário estádio em 2018 e foi eliminado do torneio lá em 2017

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

24 de abril de 2018 | 12h54

Após mais de um mês sem atuar na sua casa, o Santos retorna nesta terça-feira para um confronto especial. A partir das 21h30, o time vai enfrentar o Estudiantes, pela quarta rodada do Grupo F diante do seu melhor público no estádio em 2018 e também tentando melhorar o seu retrospecto no local nesta temporada.

+ Bruno Henrique sofre lesão na coxa e volta a ser desfalque no Santos

+ Zeca é oficializado no Internacional e assina até junho de 2022

A parcial de ingressos vendidos divulgada pela assessoria de imprensa do Santos na noite de segunda-feira indicava que 7.690 entradas já haviam sido adquiridas pelo público. E o número já é superior a qualquer registrado nesta temporada na Vila Belmiro, que possui capacidade para cerca de 16 mil pessoas e recebeu 7.508 pessoas na derrota para o Bragantino por 1 a 0, pelo Campeonato Paulista, em seu "recorde" na temporada.

Embora o Santos já viesse encontrando dificuldades para lotar a Vila Belmiro em temporadas recentes, a decisão da diretoria presidida por José Carlos Peres de levar vários jogos para São Paulo em 2018 também afetou a frequência da torcida ao seu estádio. Afinal, jogos de maior peso nesta temporada, como os clássicos com Corinthians e Palmeiras, ambos pelo Paulistão, e o primeiro duelo como mandante na Copa Libertadores, diante do uruguaio Nacional foram realizados no Pacaembu, sempre atraindo mais de 16 mil pessoas.

Agora, porém, o Santos optou por manter o duelo com o Estudiantes, em que poderá encaminhar a classificação às oitavas de final, na Vila Belmiro. E a decisão da diretoria foi celebrada pelo meia Jean Mota, que aposta em um clima de maior pressão sobre o Estudiantes.

E a disputa desse jogo fará o time voltar para casa após mais de um mês, pois não atua na Vila Belmiro desde 21 de março, quando encarou o Botafogo de Ribeirão pelas quartas de final do Paulistão. "É diferente o clima. É emocionante aquele corredor de fogo. O adversário que vem sente bastante. A Vila é a nossa casa e a pressão é maior também. Ajuda a gente e desfavorece muito o adversário", disse Jean Mota, em entrevista coletiva.

O último duelo do Santos na Vila Belmiro pela Libertadores, porém, não traz boas lembranças, pois foi lá que o time caiu nas quartas de final, ao perder por 1 a 0 para o Barcelona de Guayaquil, após voltar do Equador com um empate por 1 a 1.

Além disso, o time espera melhorar o seu retrospecto na Vila Belmiro em 2018. Nos cinco jogos disputados no estádio neste ano, o time venceu duas vezes, contra São Caetano e Santo André, por 2 a 0. Além disso, só avançou às semifinais do Paulistão nos pênaltis, após empate por 0 a 0 com o Botafogo. E ainda sofreu derrotas para Bragantino (1 a 0) e São Bento (3 a 1).

Agora, com a expectativa de a Vila Belmiro receber mais de dez mil pessoas nesta terça-feira, o time espera voltar a vencer o Estudiantes, como fez na Argentina, onde triunfou por 1 a 0. "Que possamos dar um passo grande para nossa classificação", disse o técnico Jair Ventura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.