Williams Aguiar / Sport Clube do Recife
Williams Aguiar / Sport Clube do Recife

De volta ao Japão, Nelsinho Baptista acerta com o Kashiwa Reysol por três anos

Após passagem discreta pelo Sport, experiente treinador brasileiro volta a atuar onde teve grande sucesso

O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2018 | 20h51

Técnico brasileiro mais longevo no futebol do Japão, Nelsinho Baptista, de 68 anos, confirmou nesta sexta-feira o seu retorno ao futebol do país oriental. Ele acertou um contrato de três com o Kashiwa Reysol, clube tradicional, que tem duas rodadas ainda nesta temporada para tentar escapar do rebaixamento à segunda divisão.

"Realmente existe esta possibilidade de queda, mas o projeto é de remodelação. Com o time caindo ou não, nós vamos promover mudanças no elenco e na forma de trabalho", explicou Nelsinho Baptista, que vai acompanhado do preparador físico Diego Linhares, do Flamengo.

Neste ano, Nelsinho Baptista trabalhou no Sport. Ele deixou o clube pernambucano ainda na terceira rodada do Campeonato Brasileiro por discordar de alguns dirigentes. Depois recusou vários convites de clubes do próprio Brasileirão porque já vislumbrava o seu retorno ao Japão.

O seu último clube no Oriente foi o Vissel Kobe, em 2017. Nem parece tão distante, mas o técnico diz que já estava com saudade do Japão. "Eu me adaptei muito bem na forma deles trabalharem, além do modo de vida. Minha filha caçula, de 10 anos, fala perfeitamente o japonês e gosta da cultura de lá. Estou muito feliz e confiante de poder realizar um grande trabalho e representar o futebol brasileiro", revelou.

TRAJETÓRIA - Nos 14 anos em que Nelsinho Baptista esteve no Japão desde os anos 90, boa parte deles foi dedicado ao próprio Kashiwa Reysol, um dos grandes clubes do país. Lá ficou entre 2009 a 2014, sendo o responsável por devolver o clube à elite japonesa e com direito a título na segunda divisão em 2010.

No embalo, faturou o Campeonato Japonês em 2011, sagrou-se campeão da Copa Imperador, em 2012, da Supercopa Japonesa, em 2012, da Copa da Liga Japonesa, em 2013, e da Copa Suruga, em 2014, quando venceu o Lanús, da Argentina. Sem falar que o time de Nelsinho Baptista ainda disputou o Mundial de Clubes da Fifa - em 2011, o Kashiwa Reysol ficou na honrosa quarta colocação.

No futebol nipônico ainda teve muito sucesso pelo Verdy Kawazaki. Entre 1994 e 1996, Nelsinho Batista foi bicampeão do Campeonato Japonês, em 1994 e 1995, e ainda faturou a Copa da Liga Japonesa em 1994. Dirigiu também o Nagoya Grampus Eight.

 
 

 

Mais conteúdo sobre:
Sport do RecifeNelsinho Batista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.