Decisão não muda rotina corintiana

Se nos bastidores o clima ferve na final do Paulista, o mesmo não pode ser dito do ambiente entre os jogadores. Pelo menos pelos lados do Parque São Jorge. Lá, não há o oba-oba que tradicionalmente marca a véspera de grandes decisões. Parece mais que a equipe está se preparando para um jogo da fase classificatória. Segundo opiniões corintianas, dois fatores explicam o fenômeno. Primeiro, a disputa paralela da Taça Libertadores da América, que, ninguém esconde, é a prioridade da temporada. Segundo, a presença constante do Corinthians em finais durante os últimos anos. O técnico Geninho procura ser compreensivo com a situação. "Desde o dia em que cheguei aqui, todos dizem que a Libertadores é o compromisso mais importante para o clube. Basta ver a expectativa da torcida em relação a essa competição", afirmou. "Então, acho natural que não esteja havendo esse envolvimento. Mas acredito que, durante a próxima semana, passado esse primeiro jogo, a clima deve mudar." E o treinador corintiano não se deixa envolver. Afinal, o título paulista é inédito em sua carreira e pode dar o incentivo final à equipe na busca pelo campeonato continental. Cuidado - Três corintianos entram na primeira partida da decisão com uma preocupação extra. Os atacantes Gil e Leandro e o zagueiro Ânderson estão pendurados com dois cartões amarelos. Nova advertência, portanto significa ficar fora do segundo e decisivo encontro. "Realmente, é um detalhe com o qual precisamos tomar cuidado. Mas acho que não terei problemas. Afinal, faz sete jogos que entro em campo nessa situação e não comprometi meu desempenho por causa disso", disse Ânderson. Gil, por sua vez, garantiu que nada vai mudar. "No campo, eu nem lembro desse problema de cartões."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.