Decisivo, Neymar é menos acionado na partida contra o Chile

Jogador mais importante da seleção nas primeiras três partidas, camisa 10 deu menos passes e teve pior aproveitamento nos chutes

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2014 | 17h35

Principal jogador da seleção brasileira, Neymar foi menos acionado na partida contra o Chile. O camisa 10, que brilhou pouco, deu menos passes em relação às primeiras três partidas do Brasil na Copa. A quantidade de chutes certos no gol também foi inferior.

O craque brasileiro somava, antes da partida deste sábado, 11 finalizações, com mais de 90% de chutes no alvo. Diante do Chile, no tempo normal, foram quatro conclusões e 50% de acerto. Em duas oportunidades, parou no goleiro Bravo: em uma cobrança de falta, na etapa inicial, e após uma cabeçada, já no segundo tempo. Nos primeiros 45 minutos, o camisa 10 invadiu a área e bateu de perna esquerda, fraco e cruzado, para fora. Pouco depois, cabeceou marcado pelo zagueiro e mandou pela linha de fundo. Já na prorrogação, Neymar cobrou nova falta pelo lado de campo. O chute acabou nas mãos de Bravo.

Nos 90 minutos, deu 21 passes completos, oito a menos que sua média. A participação no total realizado pela seleção, entretanto, foi mantida: 8,6%. O time brasileiro, por sua vez, foi menos efetivo no fundamento, com menos posse de bola (49 a 51). No total, o Brasil deu 244 passes no tempo normal - contra a Croácia, na estreia, foram 433.

Neymar, que foi atingido no joelho ainda no primeiro tempo, correu quase 13 quilômetros - foram 9.210 metros em 90 minutos e 3.238 metros na prorrogação. Em relação às faltas sofridas, os números foram superiores. A média do craque era de três por jogo e passou a cinco. O camisa 10 também cometeu mais faltas: foram quatro (a média era de apenas uma infração por partida).

Apesar de brilhar pouco na partida contra o Chile, Neymar foi responsável pelo terceiro gol brasileiro na decisão por pênaltis - o último marcado pelas equipes. Jara, depois, chutou na trave. Ao término da partida, o camisa 10, que chegou a sentir cãibras nos momentos finais da partida, desabou no gramado do Mineirão. O jogador também pôde respirar aliviado em relação à sua participação no próximo confronto. Pendurado com um cartão amarelo desde a partida contra a Croácia, Neymar entrará em campo com o número de cartões zerado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.