Declarações de Aidar voltam a esquentar o clima no São Paulo

Presidente diz que cobrará resultados de Muricy; clube tenta contornar episódio sem cicatrizes

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2015 | 13h05

"Montamos o time que ele quis. Está devendo essa para a gente. Quem vai cobrar publicamente dele sou eu". Foi desta forma que Carlos Miguel Aidar acendeu mais um fósforo que ameaça incendiar o ambiente interno do

. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, o presidente do clube deixou claro que não aceitará mais um ano em branco e colocou uma dose extra de pressão nos ombros do técnico Muricy Ramalho.

Acontece que - como tem sido praxe - as declarações repercutiram mal e deixaram o clima mais uma vez pesado. A avaliação é que Aidar até tem razão no posicionamento, mas mais uma vez errou o timing e colocou pressão antes mesmo da temporada começar num ano em que o São Paulo pode ter pela frente o Corinthians na complicada fase de grupos da Copa Libertadores - a chave ainda comporta o atual campeão San Lorenzo.

Muricy, que treinou a equipe nesta terça-feira pela primeira vez após quatro dias internado por causa de uma diverticulite, não fez qualquer menção à entrevista no contato com as pessoas do CT. O receio é que o treinador se exalte com os torpedos do chefe e piore o ambiente.

Para evitar maior repercussão sobre as novas indiretas de Aidar, a assessoria de imprensa trabalhou para levar um jogador mais alheio ao caso para conceder entrevista coletiva. O escolhido foi Thiago Mendes, que ainda assim precisou falar sobre a pressão de conquistar pelo menos um troféu neste ano.

"Temos que brigar pelo Paulistão e pelos campeonatos que vierem. Quem joga no São Paulo tem que estar sempre preparado para brigar por títulos. Esta tem que ser a nossa realidade", afirmou.

Muricy concederá entrevista nesta sexta-feira, mas deve ser fortemente orientado a não rebater Aidar para não piorar o clima no São Paulo neste início de ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.