Arquivo/AE
Arquivo/AE

Declarações de Ronaldo causam mal-estar na CBF

Fenômeno disse que foi crucificado por Ricardo Teixeira com o fracasso do Brasil na última Copa do Mundo

SILVIO BARSETTI, Agencia Estado

15 de maio de 2009 | 17h49

Causou muito mal-estar na cúpula da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) as críticas de Ronaldo ao presidente da entidade, Ricardo Teixeira, durante sabatina realizada nesta sexta-feira pelo jornal Folha de S.Paulo. O atacante do Corinthians chegou a ofender o dirigente, por causa de declarações de Teixeira após a Copa do Mundo de 2006.

 

Veja também:

linkMPF entra com ação contra anúncio da Brahma que traz Ronaldo

linkRonaldo avisa que ainda não está pronto para seleção

especial Visite o canal especial do Brasileirão

especial Visite o canal especial das Eliminatórias

especial Jogue o Desafio dos Craques

tabela Brasileirão Série A - Classificação e Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

No momento em que falava do presidente da CBF, Ronaldo afirmou: "Não me importa para nada ter um relacionamento com uma pessoa que tem duplo caráter". Disse, também, que se sentiu crucificado por Teixeira após a eliminação do Brasil no último Mundial.

"É muito fácil na hora que ganha estar ali e levantar troféu, ser campeão com os jogadores. Na hora que perde, é fácil também você pegar e apontar alguém para Cristo e crucificar esta pessoa", comentou.

Por meio da Assessoria de Imprensa da CBF, Ricardo Teixeira preferiu ser diplomático e repetiu "que continua torcendo para que Ronaldo recupere o futebol de 2002 para voltar à seleção e marcar muitos gols pelo Brasil". Se adotou publicamente discurso conciliatório, Teixeira, no entanto, deixou claro a seus amigos mais próximos o incômodo com o desabafo de Ronaldo.

Embora seja um ícone da seleção, Ronaldo também foi criticado na entidade várias vezes nos últimos meses por ter se estendido nas horas de folga durante aquela competição. Numa entrevista ao Estado, em 2007, Teixeira disse que tinha "bebedeira" na seleção na Alemanha, com jogador que chegava "bêbado na concentração entre 4 e 6 horas da manhã". Mas não citou nomes.

 

Atualizado às 18h15 para acréscimo de informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.