Junior Lago/Photocamera
Junior Lago/Photocamera

Deco promete 'ir até o fim' para esclarecer caso de doping

O jogador disse que vai aguardar o resultado da contraprova para se manifestar

AE, Agência Estado

01 de maio de 2013 | 14h40

RIO - O meia Deco se pronunciou nesta quarta-feira pela primeira vez após a revelação que testou positivo para a substância Furosemida em exame antidoping feito depois da partida entre Fluminense e Boavista, disputada no dia 30 de março, e se defendeu através de uma nota oficial, citando a sua longa carreira sem polêmicas dentro e fora de campo. Além disso, prometeu "ir até o fim" para esclarecer a situação.

Em um comunicado breve, Deco disse que vai aguardar o resultado da contraprova para se manifestar e alegou que a substância pode ter aparecido no seu exame antidoping em razão do consumo de vitamina. A Furosemida normalmente está presente em vitaminas comercializadas por farmácias de manipulação.

"Conversei com o meu advogado e vou aguardar a contraprova. Sempre tomei vitamina e jamais fiz uso de algo ilícito. São 18 anos de carreira e 15 anos na Europa sem qualquer problema. Vou me manifestar somente após o resultado e vou até o fim para esclarecer os fatos", afirmou Deco através de uma nota oficial.

Deco ainda não foi suspenso preventivamente pelo Tribunal de Justiça Desportiva do Rio. Mas deverá ser punido se o resultado da contraprova confirmar o uso do medicamento. Mesmo assim, o Fluminense preferiu se precaver e não relacionou Deco para o jogo desta quinta-feira contra o Emelec, no Equador, válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores.

A Furosemida já deu dor de cabeça também a outros atletas brasileiros. Em 2011, exames com os nadadores Cesar Cielo, Henrique Barbosa e Nicholas dos Santos acusaram a presença da substância no organismo dos três. Mas eles foram apenas advertidos pela justiça desportiva, escapando de suspensão. O doping deles foi atribuído à contaminação de um suplemento alimentar manipulado por uma farmácia da cidade de Santa Bárbara D''Oeste, em São Paulo.

A situação de Cesar Cielo e de seus dois colegas foi atenuada quando a farmácia do interior paulista assumiu a culpa, em relatório enviado à Corte Arbitral do Esporte - instância máxima da justiça desportiva mundial -, no qual atribuía "a provável" contaminação das cápsulas à falta de higiene adequada no local onde as pílulas eram produzidas.

Além de deixar Deco fora do duelo com o Emelec, o Fluminense divulgou uma breve nota oficial na noite de terça-feira em que avisava que só ia se declarar sobre o assunto após a apresentação do resultado da contraprova do exame antidoping do seu jogador.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseDecodoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.