Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Decreto no Rio Grande do Sul vetará treinos de Grêmio e Internacional

Medida passa a valer a partir desta segunda-feira; jogadores haviam voltado aos treinamentos nesta semana

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2020 | 20h27

Os jogadores de Grêmio e Internacional voltaram aos treinamentos nesta semana, mas um decreto do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, veterá as atividades nos centros de treinamentos a partir de segunda-feira. O novo decreto dividirá o Estado em 20 regiões. A capital Porto Alegre está na área "laranja", definida para representar "risco médio" na escala.

"A rigor, com o novo decreto, os treinos deverão estar restritos. O decreto é sobre funcionamento do clube esportivo, e o funcionamento estará vedado nestas condições. Na bandeira laranja, a determinação é que se suspenda as atividades em clubes esportivos. Só podendo funcionar na bandeira amarela, o que deverá acarretar a suspensão das atividades dos treinos nos clubes esportivos", afirmou o governador, em entrevista coletiva virtual realizada neste sábado.

Eduardo Leite também mostrou pessimismo em relação à volta do Campeonato Gaúcho. Das 20 regiões do Estado, apenas seis estão com cor amarela, onde poderia haver futebol.

"Na bandeira amarela os clubes esportivos podem funcionar. Esta decisão de ter ou não é a partir da Federação nos protocolos aqui estabelecidos. Parece difícil porque não conseguimos assegurar uniformidade no Estado, e concentrar o campeonato em uma região geraria um custo e uma dificuldade para operação, mas é uma decisão da própria FGF (Federação Gaúcha de Futebol)", disse Eduardo Leite.

Grêmio e Internacional voltaram aos trabalhos após decreto municial publicado no fim de semana passado permitir as atividades nos centros de treinamentos. O decreto estadual se sobrepõe ao decreto municipal, e os jogadores não poderão treinar a partir de segunda-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.