Vinnicius Silva / Cruzeiro
Vinnicius Silva / Cruzeiro

Dedé minimiza retrospecto do Cruzeiro como visitante e prega raça em Itaquera

Zagueiro espera que partida coroe trabalho que equipe desenvolve desde janeiro

Estadão Conteúdo

16 Outubro 2018 | 13h34

O Cruzeiro tem um forte retrospecto como visitante nesta edição da Copa do Brasil. Desde que estreou, direto nas oitavas de final, ainda não perdeu. Foram três jogos e três vitórias. Mas, nesta quarta-feira, na grande decisão do campeonato, o time mineiro deve esquecer isso e focar somente dentro de campo, avalia o zagueiro Dedé.

"Temos jogado bem a Copa do Brasil, sabendo jogar em casa e também fora. Como visitantes ganhamos todos os jogos. Mas agora não vamos pensar nisso. Vamos tentar jogar, esquecer o que fizemos até agora", disse o defensor, nesta terça-feira. "Serão dois gigantes e vai ter de ser na raça, no momento. As vitórias fora foram importantes, mas vamos tentar manter isso. Temos condições de terminar o jogo com empate também."

O Cruzeiro poderá ser bicampeão em caso de empate porque venceu o jogo de ida por 1 a 0, no Mineirão. "Aqui no Mineirão, o Corinthians tentou fazer jogo de contra-ataque. Mas nos resguardamos bem, nosso papel foi muito bom, eles praticamente não chutaram. Poderíamos ter saído com um placar um pouco maior, pois criamos, mas cumprimos bem nosso papel."

Para o zagueiro, a partida pode coroar o trabalho que o grupo cruzeirense vem fazendo desde o início do ano. "Essa partida vai concretizar o bom trabalho que fizemos durante este período todo. Apesar de termos saído da Copa Libertadores e ficado um pouco afastado do Brasileiro, o ano está sendo muito bom, com muitas decisões e, graças a Deus, na grande maioria, fomos muito bem."

Dedé vê a final como mais uma oportunidade para deixar seu nome na história do clube. Se o Cruzeiro for campeão, o zagueiro vai acumular seu quarto título nacional pela equipe. Ele participou da conquista da Copa do Brasil do ano passado e esteve no grupo no bicampeonato brasileiro em 2013 e 2014.

"Sabemos que será muito difícil jogar lá. Mas será importante demais para nossa temporada, para a diretoria, a torcida e nós atletas cravando nosso nome na história do clube, com uma conquista inédita", declarou o jogador, que soma 137 partidas e 11 gols com a camisa cruzeirense.

Dedé poderá deixar a Arena Corinthians nesta quarta com dois troféus nas mãos. Ele disputa com o meia Jadson, do time rival, o troféu Bola de Ouro da Copa do Brasil. O goleiro Fábio compete com o colega Cássio, do Corinthians, o prêmio Luva de Ouro.

"Eu e o Fábio temos o nome na disputa, mas representamos todos os atletas, não acho que fui o melhor. Fico feliz, mas acho que junto com outros atletas fomos muito bem. Tem jogadores de qualidade que passam a carreira sem ter a chance de conquistar um título como este. E eu estou tendo oportunidade de ajudar agora dentro de campo", comentou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.