Washington Alves/Divulgação
Washington Alves/Divulgação

Dedé tem recuperação lenta e pode passar por cirurgia no Cruzeiro

Zagueiro preocupa o departamento médico. Atleta sofreu um edema ósseo no joelho direito e pode desfalcar o time por longo período

Estadão Conteúdo

12 de janeiro de 2015 | 13h05

A situação de Dedé preocupa a comissão técnica e o departamento médico do Cruzeiro. O zagueiro ainda se recupera de uma contusão no joelho direito, sofrida na reta final da temporada 2014, e o clube já admite a possibilidade do jogador passar por uma cirurgia.

Dedé sofreu um edema ósseo no joelho direito em 5 de novembro, durante o empate por 3 a 3 com o Santos, na Vila Belmiro, que classificou o Cruzeiro para a decisão da Copa do Brasil. Desde então, o zagueiro desfalcou o clube mineiro, ficando de fora das seis rodadas finais do Campeonato Brasileiro e da final da Copa do Brasil, vencida pelo Atlético-MG, além de ter se apresentado para a pré-temporada ainda lesionado.

O médico Sérgio Freire Júnior explicou que Dedé vem recebendo tratamento medicamentoso e fisioterápico. O zagueiro se apresentou para a pré-temporada com evolução do quadro clínico, mas menos do que se imaginava. Diante disso, o Cruzeiro avalia a possibilidade de submeter Dedé a uma cirurgia.

"Com essa evolução um pouco arrastada, a gente tem que pensar em uma situação um pouco mais complexa, o que possibilita um procedimento cirúrgico. Continuamos tratando, o Dedé continua medicado e estamos observando a sua evolução. Se ele evoluir de uma forma mais satisfatória, a cirurgia acaba sendo descartada. Se não, aí que entra a possibilidade cirúrgica para a abordagem da lesão, para que ele se recupere de uma melhor forma", disse Sérgio Freire Júnior.

O Cruzeiro evita realizar previsões sobre período de afastamento dos jogadores, mas se Dedé passar por cirurgia, deve desfalcar o time por longo período. A equipe estreia no Campeonato Mineiro em 1º de fevereiro, em Governador Valadares, diante do Democrata.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroDedé

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.