Valéria Gonçalvez/AE
Valéria Gonçalvez/AE

Defederico marca estreia e sonha com seleção argentina

Argentino afirma que terá condição de jogo no domingo contra o Goiás no Pacaembu, pelo Brasileirão

Agencia Estado

16 de setembro de 2009 | 13h46

O meio-campista argentino Matías Defederico espera estrear logo pelo Corinthians e já fala até defender a seleção argentina graças às suas atuações no clube. Nesta quarta-feira, o jogador afirmou que só depende de questões burocráticas para estrear no domingo, contra o Goiás.

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Seguramente poderei estrear. Os documentos deve chegar da argentina até a quinta-feira", disse o jogador em entrevista à TV Bandeirantes. Ele ficou fora da partida contra o Coritiba, nesta quarta, justamente porque a documentação referente ao negócio entre Corinthians e Huracán não havia chegado a São Paulo.

Além do início de sua trajetória no clube, Defederico quer também retomar seu caminho na seleção argentina. Ele já atuou uma vez com a camisa da equipe, em um amistoso contra o Panamá, e espera retornar para as partidas contra Peru e Uruguai, em outubro, pelas Eliminatórias. Para isso, terá de jogar logo com a camisa corintiana.

"Joguei uma vez pela seleção, ganhamos e fiz gol. Seria ótimo voltar, sobretudo nas Eliminatórias. Seria realmente bom jogar pela seleção nesse momento", afirmou o jogador, que ainda tenta se acostumar ao assédio no clube e ao ritmo de treinamentos.

"Aqui as pessoas te reconhecem mais. O Corinthians é um clube grande, muito maior do que o Huracán, então é mais comum esse tipo de coisa. Os treinos também são diferentes, mais físicos. Na Argentina treinamos em um período só, é mais tranquilo", disse Defederico.

Ele ainda precisa se acostumar, também, ao fato de encontrar Ronaldo com frequência. "Quando o vi pela primeira vez, não acreditei. É um dos grandes jogadores do mundo e agora divido o vestiário com ele", afirmou o argentino, que já fez campanha pelo novo companheiro na seleção brasileira. "Ele deve jogar sempre, mesmo que não esteja bem. Só o fato de estar lá causa medo nos adversários."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.