Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Defendo a instalação da CPI da CBF', reafirma Romário após eleição

Senador recém-eleito pelo Rio de Janeiro reitera que irá lutar para que taxação e auditoria da CBF sejam incluídas em projeto de lei

Raul Galhardi, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2014 | 19h35

Mais de 4,6 milhões de votos (63,4% dos votos válidos) para o Senado tornaram o ex-jogador e deputado federal Romário (PSB-RJ) o campeão de votos entre os políticos ligados ao futebol nestas eleições. Em sua legislatura como deputado, o ex-atacante adotou como bandeira a defesa de políticas para crianças com deficiências e com doenças raras. Outra área de atuação do parlamentar se deu no combate à corrupção no futebol e aos gastos excessivos com a Copa do Mundo

Durante seu mandato, Romário bateu de frente com o Governo Federal e com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), usando várias vezes a tribuna da Casa para tecer ataques contra os dirigentes da entidade. Em entrevista ao Estadão, o senador eleito fala sobre seus planos para o próximo mandato.

Em relação à próxima legislatura, quais projetos o senhor pretende apresentar?

Acompanho de perto o futebol e tenho intenção de apresentar projetos para melhorar o futebol, mas minha bandeira maior é o avanço das políticas para as crianças com deficiências e com doenças raras. Minha filha Ivy, de nove anos, que tem Síndrome de Down, foi minha inspiração para entrar na política e me candidatar.


A Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (Proforte) foi aprovada parcialmente em maio deste ano sem uma parte do texto, que previa a taxação da CBF para a formação de novos atletas e a realização de uma auditoria das contas da entidade. O que o senhor pretende fazer agora em relação a essa questão da CBF? 

Vamos colocar de volta esses artigos em forma de emendas ao projeto de lei. Já conversei com o Bom Senso FC há dois meses sobre isso. Posso discutir a ideia de apresentar outro projeto, quando estiver no Senado, mas vamos tentar emendas para voltar com as propostas, que foram tiradas na comissão especial que discutiu o assunto.

Que principais medidas, resumidamente, o próximo governo deveria adotar para melhorar a situação em que se encontra o futebol no País?

Uma iniciativa que deveria ser imediata do governo seria mobilizar a base para aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. É o primeiro passo para a moralização. Defendo também a CPI da CBF, que está na fila para ser instalada. Seria muito importante que houvesse uma grande mobilização, com apoio do governo, para que essa investigação acontecesse no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.