José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Defesa causa dor de cabeça e terá atenção especial no São Paulo

Setor sofreu 11 gols nos últimos quatro jogos e precisará se superar já que meta na ida contra o Huachipato é vencer e não ser vazado

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2014 | 07h00

A torcida pediu e o São Paulo assumiu: é questão de honra conquistar uma vaga na Taça Libertadores de 2015. E o time tem dois caminhos, pelo Brasileirão ou conquistando o título da Copa Sul-Americana, competição mais curta e que terá atenção especial. Mas para não frustrar a torcida como em 2013, arrumar a defesa virou o grande desafio já para o jogo diante do Huachipato, nesta terça-feira.

Diante dos chilenos, no Morumbi, a estratégia está traçada: o São Paulo precisa acabar com o jejum de quatro vitórias, sem sofrer gol, já que este é um critério de desempate. São duas missões em uma.Como o ataque são-paulino é poderoso, a ordem é ajeitar o setor, vazado 11 vezes as últimas quatro rodadas, 33 em 25 rodadas do Brasileirão. Mas tudo terá de ser na base da conversa, já que os atletas têm apenas esta segunda-feira para se preparar para o jogo com os chilenos e será dia de recuperação física após o jogo com o Fluminense.

Milton Cruz, substituto de Muricy Ramalho, afastado por causa de uma taquicardia, adiantou que conversará com todo o grupo para pedir um pouco mais de colaboração defensiva. A meta é mostrar que o time está vulnerável e vem sofrendo gols não apenas por culpa de seus zagueiros.

“Quando o time faz os gols, é porque a defesa ajuda, então quanto toma... Somos um time, infelizmente tomamos esses gols e temos de corrigir”, afirmou o técnico interino. “Vamos procurar melhorar atrás, para o time todo voltar a vencer. Mas não é só a defesa culpada e precisamos valorizá-la porque também nos ajuda muito.”

Auro deve ser mantido na lateral-direita, apesar dos espaços deixados em suas costas. No meio, Antonio Carlos e Edson Silva reeditam a dupla que não foi bem nos últimos jogos enquanto a dúvida paira na esquerda por causa da lesão no joelho de Álvaro Pereira.Ele passará por exames, mas dificilmente joga.

Michel Bastos, de características mais ofensivas, deve disputar a vaga com Reinaldo.De certo é que Milton Cruz vai segurar mais os volantes para dar um auxílio aos defensores. A Copa Sul-Americana é tratada com carinho pelos dirigentes e todo cuidado é pouco. Ainda mais num time que só não é pior no quesito gols tomados na Série A que Palmeiras (39 gols), Vitória (35) e Figueirense (34).

Mais conteúdo sobre:
futebol são paulo fc copa sul-americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.