Deivid espera definição de seu futuro

Deivid vive momentos de ansiedade, o que talvez explique o grande número de chances de gols que tem desperdiçado nos últimos jogos do Santos. Ele assistiu a um programa esportivo de televisão, há um mês, no qual o presidente Marcelo Teixeira afirmou que está comprando do Bordeaux, da França, seus direitos federativos, leu em alguns jornais que a milionária MSI, parceira do Corinthians, vai tentar contratá-lo e da Europa surgem vagas informações sobre possíveis transferências. "De certo mesmo, não sei de nada", disse o atacante, na sexta-feira, na preparação para o jogo contra a Inter de Limeira, neste sábado, às 16 horas, na Vila Belmiro. "Meu contrato com o Santos termina dentro de dois meses e até agora ninguém falou comigo, embora o presidente (Marcelo Teixeira) tenha dito que vai comprar o meu passe. Também falaram da MSI e outras coisas, mas não há nada", insistiu Deivid.Ao retornar da França, emprestado ao Santos pelo Bordeaux, Deivid disse que tinha inúmeros convites mas que havia preferido retornar à Vila Belmiro para dar o título que ficou devendo ao clube em sua primeira passagem. E conseguiu: foi campeão brasileiro no ano passado. Agora, ele fala que se puder escolher, fica onde está. "Gosto da cidade e tenho familiares aqui. Além disso, a opção de compra é do Santos." O procurador de Deivid, Jorge Moraes, viajou no meio da semana para França para discutir o futuro do jogador, mas por enquanto não há novidades. "Acho que a situação só vai começar a clarear na quarta-feira, quando Jorge vai voltar da França. Na quinta-feira, falei com ele por telefone, mas não tinha nada de novo. Então, continuo esperando." Pelas poucas informações que têm, Deivid acha que os seus direitos federativos devem custar mais de US$ 4 milhões.Após a derrota do Santos diante do Santo André, quarta-feira à noite, em Santo André, Deivid saiu de campo dizendo que "estava faltando vergonha na cara ao time", o que provocou críticas do zagueiro Ávalos.Dura - Antes que se tornasse uma forte polêmica, o caso foi contornado pelo técnico Gallo - ainda não havia assumido e assistiu ao jogo das arquibancadas -, nos vestiários do estádio Bruno José Daniel, mas o atacante disse que não se arrepende das declarações. "Falei aquilo num momento em que ainda estava com a cabeça quente, mas era o que eu pensava e não me arrependo. O clube tinha acabado de mandar o técnico embora, como responsável por tudo de errado que estava acontecendo, tinha que dar uma resposta em campo e não deu", afirmou.Embora não recomende que o Santos jogue a toalha no Campeonato Paulista, Deivid não acredita numa virada semelhante à que levou o time ao título no Campeonato Brasileiro do ano passado. "Há possibilidades matemáticas, mas temos que ser realistas e jogar todas as fichas na Libertadores. Porém, procurando melhorar e ganhar os jogos restantes do Paulista", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.