Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Del Bosque: 'Não é uma derrota que fará mudarmos tudo'

Técnico da seleção espanhol minimiza derrota para o Brasil

FERNANDO FARO E LEONARDO MAIA, Agência Estado

30 de junho de 2013 | 23h04

RIO - A derrota para o Brasil, pela forma como se deu, foi um duro golpe para a Espanha. Time de melhor retrospecto recente, a Fúria viu cair sua hegemonia internacional com um estrondo. O objetivo agora é se recobrar do golpe, analisar as razões para a goleada e o domínio brasileiro e buscar a oportunidade de revanche daqui a um ano, na Copa do Mundo. Essa é a visão do técnico Vicente del Bosque.

"Não ficamos contentes com essa derrota, mas temos que analisá-la com calma. Temos grandes jogadores, um grande time, um ótimo esquema de jogo e não é por causa de uma derrota que vamos mudar tudo", decretou o comandante espanhol, com a tranquilidade que costuma demonstrar à beira do campo.

Durante a coletiva pós-jogo, foi dada a oportunidade ao treinador de buscar desculpas para amenizar uma derrota tão inesperada, pela forma como se deu. Mas Del Bosque não tomou tal caminho. "Não acho que o cansaço foi um dado relevante. O jogo foi merecidamente vencido pelo Brasil e temos que aceitar a derrota", disse.

O técnico do melhor time do mundo, pelo menos até o revés deste domingo, também procurou rebater "acusações" de que houvesse soberba entre os espanhóis, e que o Brasil recolocou as coisas nos seus devidos lugares com uma vitória categórica.

"Quem diz que nós somos os melhores são os especialistas. Nós sempre fomos muito tranquilos quanto a isso. Sabemos o quanto é difícil vencer, e hoje enfrentamos um adversário muito empolgado e determinado", analisou.

Del Bosque, no entanto, fez uma pequena crítica ao time brasileiro, apesar de reconhecer sua superioridade e os méritos da marcação sob pressão do rival. Segundo ele, o Brasil se utilizou com frequência "de faltas, não violentas, para parar a continuidade do jogo espanhol".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.