Fernando Bizerra/EFE
Fernando Bizerra/EFE

Del Bosque tem pela frente o melhor dos problemas

Sobram opções para o técnico armar a equipe espanhol para a semifinal de quinta-feira, diante dos italianos

FERNANDO FARO - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2013 | 08h04

FORTALEZA - Se Cesare Prandelli vive um drama com o corte de Balotelli, seu colega Vicente Del Bosque tem problema oposto e quebra a cabeça pelo excesso de opções que tem à disposição para montar sua equipe contra a Itália.

 

Isso porque o reserva Fernando Torres mais uma vez aproveitou sua oportunidade na equipe, marcou um dos gols na vitória sobre a Nigéria e ganhou ainda mais força na disputa com Soldado para ocupar uma vaga no ataque ao lado de Pedro. O gol foi o quinto em três jogos, feito que o coloca como artilheiro isolado da competição.

 

Soldado iniciou as partidas contra Uruguai e Nigéria e marcou apenas uma vez, contra os sul-americanos. Contra os africanos teve duas excelentes chances, cara a cara com Enyeama, mas concluiu mal e facilitou o trabalho do goleiro.

 

Torres, por sua vez, marcou na primeira chance que teve e ainda deu nova movimentação ao ataque. "Roberto fez o trabalho dele, e o Fernando também. Ele ficou na frente do goleiro várias vezes graças ao seu trabalho e movimentação. Estamos muito satisfeitos com os dois", contemporizou o treinador.

 

Um dos maiores méritos de Del Bosque é justamente saber lidar com o grupo e administrar os egos dos seus badalados jogadores. Ele também é conhecido por não se furtar a mudar a equipe de acordo com as necessidades, utilizando quem estiver em melhor momento. Na Eurocopa, por exemplo, não utilizou nenhum atacante de área em diversas partidas, inclusive na final. Foi com essa postura que ele conquistou os atletas e fez, por exemplo, a rixa entre jogadores de Real Madrid e Barcelona – que atingiu seu ápice no ano passado – não influenciar no ambiente da seleção.

 

É justamente por isso que ninguém se atreve a contestar suas decisões e o discurso coletivo ganha força. "O que resta é lutar pelas oportunidades. O mais importante é que a equipe ganhe", disse Torres, que não esconde que gostaria de ter uma chance entre os titulares. "É para isso que treino todos os dias."

 

"El Niño" terá mais três treinos para convencer o chefe de que pode ser titular. Conta com o retrospecto positivo a seu favor, mas descarta fazer campanha pela vaga. Para ele, Del Bosque tem um problema agradável para resolver. "Isso é o resultado do nível que essa equipe tem e das possibilidades que ela oferece", argumentou.

 

Altos e baixos. O bom momento na seleção não reflete o que tem sido a vida de Fernando Torres nas últimas duas temporadas. Contratado pelo Chelsea por estratosféricos R$153 milhões, ele teve um péssimo desempenho e marcou apenas 11 gols em 49 jogos em sua primeira temporada. Em 2012/2013, ele teve uma melhora nos números: foi às redes 22 vezes em 62 jogos, sendo um gol na vitória sobre o Benfica na final da Liga Europa. Ainda assim, não é unanimidade.

 

Preocupação. A Federação Espanhola divulgou nota informando que Fabregas e Soldado podem desfalcar a equipe contra a Itália. Os dois reclamaram de dores musculares após a partida contra a Nigéria e serão novamente avaliados.

 

"A partir dos resultados dos exames, a presença de nenhum dos atletas foi descartada para as semifinais, embora a participação deles dependerá da evolução das dores", diz o comunicado espanhol.

Apesar da nota, a tendência é que a dupla esteja à disposição para o jogo. "Não parece sério. Estamos sendo apenas cautelosos", disse Vicente Del Bosque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.