Alessandro Garofalo|Reuters
Alessandro Garofalo|Reuters

Del Bosque vê Itália como teste importante para a Eurocopa

Técnico espanhol quer avaliar em amistoso o nível de sua seleção

Estadão Conteúdo

23 de março de 2016 | 18h21

Itália e Espanha farão nesta quinta-feira em Údine o principal amistoso do dia de data Fifa. Às vésperas da Eurocopa da França, que começará em junho, trata-se de um importante teste para ambas as seleções, duas das mais fortes do continente, como avaliou o técnico espanhol Vicente Del Bosque nesta quarta.

"É bom jogar partidas deste nível antes da Eurocopa para ver qual o estado atual de cada seleção", declarou em entrevista coletiva. "A nossa intenção é que nestas partidas joguem todos os jogadores que vieram", completou, mirando também o duelo de domingo diante da Romênia, novamente fora de casa.

Del Bosque terá estas duas partidas para testar um substituto para Sergio Busquets, cortado da seleção após sofrer uma fratura no dedo da mão. Outro que pode ganhar espaço no elenco em momento tão importante é o veterano atacante Aduriz, de 35 anos, que vinha sendo pedido pela torcida e finalmente foi convocado pelo treinador.

"Temos dois meses pela frente para decidir os atacantes da lista (para a Eurocopa). Faremos o melhor para a seleção espanhola. A ideia é não carregar nenhum jogador com 180 minutos. Ao Aduriz, pedimos o que está fazendo no Athletic Bilbao", comentou. "Também teremos diversas soluções para o meio de campo. É uma pena pelo Busquets, mas não queríamos prejudicá-lo."

Do outro lado, a seleção italiana leva o amistoso com a mesma postura. O técnico Antonio Conte ressaltou a importância desta partida diante de um adversário tão forte para encontrar respostas para algumas dúvidas que ainda permanecem em relação à convocação para a Eurocopa.

"Será uma grande oportunidade contra um grande oponente. A Espanha é muito forte, uma das favoritas da Eurocopa. Eu espero ver amanhã em campo o que preparei, mesmo que não seja fácil se preparar em tão pouco tempo. Confio que chegaremos à Eurocopa como um time, não uma seleção. Vamos sentir falta de jogadores que já atuaram e precisamos tirar vantagem da situação para encontrar respostas. Preciso acabar com todas as dúvidas", comentou nesta quarta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.