Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Del Nero diz que sua 'inocência' será provada em tribunal 'democrático'

Ex-presidente da CBF acusa Fifa de achismo por afirmar que ele manobrou para manter esquema de corrupção na Conmebol

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 08h17

Banido do futebol e sem poder sair do Brasil sob o risco de ser preso e indiciado pelo FBI, Marco Polo Del Nero insiste que é inocente das acusações de corrupção e que isso será provado em "qualquer tribunal democrático".

Nesta quarta-feira, o Estado revelou que Del Nero e José Maria Marin, os dois últimos presidentes da CBF, se reuniram para organizar a eleição de Juan Napout ao comando da Conmebol e, assim, manter o esquema de corrupção que existia no futebol sul-americano. A informação faz parte de uma carta enviada pela Fifa para a Justiça americana.

No documento, os advogados da entidade apontam que Marin montou um "esquema com Juan Angel Napout, Marco Polo del Nero e outros dirigentes sul-americanos para ter Napout eleito presidente da Conmebol, onde Napout poderia melhor dirigir os esquemas de corrupção".

Napout assumiu a Conmebol em março de 2015, dois meses antes das prisões dos dirigentes esportivos. Seus dois antecessores no cargo foram indiciados posteriormente: Nicolas Leoz e Eugênio Figueredo. O paraguaio prometeu transparência na entidade e reformas. Mas em dezembro de 2015 foi a vez dele ser preso, sendo condenado por corrupção em 2017.

Em resposta ao Estado, Del Nero atacou a posição dos advogados da Fifa. "Achismo é o nome dessa conclusão desses advogados", escreveu, em uma mensagem à reportagem. "Napout foi candidato e eleito por unanimidade", disse.

"Sou inocente de qualquer acusação que possa existir e minha conduta ilibada ficará provada em qualquer tribunal democrático, político e que tenha como parâmetro a procura da verdade na busca da prova real, verdadeira e não de suposições e, repito, achismos", disse Del Nero.

Seus advogados ainda vão recorrer da decisão da Fifa que o baniu no futebol. Mas, para isso, aguardam ainda os documentos do Comitê de Ética da entidade. Nos EUA, Del Nero é suspeito de ter recebido US$ 6,5 milhões (R$ 24,4 milhões) em propinas com acordos na CBF e Conmebol.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.