Divulgação
Divulgação

Del Nero é cobrado por vice da CBF por não ir a eventos no exterior

Em entrevista a jornal, José Luiz Runco também critica Marco Polo

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

31 de agosto de 2015 | 18h41

Enquanto no auditório da CBF um sorteio definia os confrontos das quartas de final da Copa do Brasil, no quarto andar do mesmo prédio na Barra da Tijuca, no Rio, uma reunião de rotina entre dirigentes da entidade ganhava seu momento de tensão. Quase ao final do encontro, o presidente Marco Polo Del Nero questionou Delfim de Padua Peixoto Filho - um de seus cinco vice-presidentes - se ele tinha algum apontamento a fazer. E Delfim demonstrou toda sua inconformidade com a ausência de Del Nero em compromissos oficiais da CBF no exterior.

Segundo relato de quem esteve no encontro, todos teriam ficado surpresos quando Delfim tocou no tema. "Por que o senhor não viaja mais ao exterior?", indagou o dirigente, que também preside a Federação Catarinense de Futebol. "Isso está prejudicando nosso futebol."

Del Nero se defendeu alegando que "o momento do futebol brasileiro" não permite que ele se ausente, referindo-se à CPI do Futebol instalada no Senado. A resposta não teria sido suficiente para convencer Delfim.

Membro do Comitê Executivo da Fifa, Del Nero já deixou de participar de duas reuniões da entidade, o que pode resultar em seu afastamento. O cartola parou de fazer viagens ao exterior no final de maio, logo após a ação que prendeu sete dirigentes em Zurique, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF.

Vice-presidente mais velho da CBF depois de Marin, Delfim Peixoto é o primeiro na linha sucessória da entidade em caso de impedimento de Del Nero. O dirigente catarinense está rompido com o presidente da CBF desde que Del Nero tentou manobrar para mudar o estatuto e mexer justamente na linha de sucessão.

COBRANÇA MÉDICA

Neste domingo, o jornal "O Globo" publicou uma entrevista exclusiva com o ex-médico da seleção brasileira e do Flamengo, José Luiz Runco. Perguntado sobre se a instabilidade política da CBF influencia o desempenho dentro de campo, Runco não recuou: "Sim. O presidente da CBF não pode se expor com determinado tipo de mulheres nas viagens da seleção. Ainda mais na frente dos jogadores. Qual a credibilidade hoje da direção da CBF na Fifa? Isso gera uma instabilidade geral. O atual presidente não fala inglês, nem 'good morning'".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.