Julio Cavalheiro/EFE
Julio Cavalheiro/EFE

Del Nero prevê punição para Lusa se for à Justiça comum

Vice-presidente da CBF defende decisão da justiça desportiva

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

21 de fevereiro de 2014 | 14h24

FLORIANÓPOLIS - O vice-presidente da CBF e atual presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo del Nero, defendeu nesta sexta-feira que a Portuguesa seja punida caso entre na Justiça comum para tentar anular o seu rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro, como prometeu nesta semana o clube. "Provavelmente, terá punição. O Estatuto da CBF prevê que não pode entrar na Justiça comum. Recomendamos que se cumpra a Justiça desportiva", afirmou Del Nero, ao ser questionado sobre uma possível punição que poderia ser imposta pela CBF caso o clube paulista acione a Justiça comum.

Na noite da última terça-feira, em reunião do Conselho Deliberativo da Portuguesa, o clube decidiu entrar com ação na Justiça comum para tentar anular a decisão do STJD, que definiu o rebaixamento do clube com a punição da perda de quatro pontos no último Campeonato Brasileiro. A Portuguesa alega o descumprimento do Estatuto do Torcedor que prevê a necessidade de publicação das punições dos atletas com antecedência, o que não aconteceu no caso da punição de Héverton, utilizado de forma irregular na rodada final do torneio.

Para Del Nero, Ilídio Lico, presidente da Portuguesa, está pressionado a acionar a Justiça comum em razão das manifestações dos torcedores do clube. "O presidente da Portuguesa está acuado em face das manifestações dos torcedores", disse. Enquanto Del Nero deu uma opinião contrária e até ameaçadora ao desejo da Portuguesa de tentar se manter na elite do futebol brasileiro através da Justiça comum, o presidente da CBF, José Maria Marin, evitou comentar a situação.

JUDICIÁRIO

"Não quero comentar esse assunto. Está no nosso departamento judiciário", comentou. No final de 2013, o STJD puniu a Portuguesa e o Flamengo com a perda de quatro pontos pela escalação irregular de Héverton e André Santos, respectivamente, na rodada final do Brasileirão. A decisão causou o rebaixamento da Portuguesa e recolocou o Fluminense na Série A.

A partir disso, dezenas de ações foram protocoladas por torcedores na Justiça alegando o descumprimento do Estatuto do Torcedor. A CBF, por sua vez, conseguiu cassar todas as liminares alegando que os torcedores não têm legitimidade para defender os interesses da Portuguesa. Assim, até já divulgou a tabela da edição de 2014 do Campeonato Brasileiro, sem o clube paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.