Rafael Ribeiro/ Divulgação
Rafael Ribeiro/ Divulgação

Del Nero recebe Zico na CBF e promete apoio para eleição da Fifa

Presidente diz que ajudará se ex-jogador conseguir assinaturas

O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2015 | 18h31

Dois dias depois de enviar um pedido de apoio à CBF para sua candidatura à Fifa, Zico foi recebido pelo presidente Marco Polo Del Nero na sede da entidade, no Rio de Janeiro. Em nota no site oficial da Confederação, o mandatário disse que apoiará o ídolo flamenguista se ele trouxer as assinaturas de outras quatro organizações nacionais de futebol, requisito mínimo para pleitear o posto de Joseph Blatter.

"Zico tem o nosso apoio para viabilizar a candidatura. Se ele conseguir as outras quatro assinaturas, a CBF vai endossar o seu pleito. Falei com o [Juan] Napout [presidente da Conmebol] que temos um brasileiro ilustre com a intenção de concorrer ao cargo de presidente da FIFA. Em condições regulares para entrar na eleição, Zico terá o endosso da CBF", disse Marco Polo no site da CBF.

Além de Del Nero, Zico também se reuniu com presidentes e diretores do futebol brasileiro no Rio de Janeiro. Entre eles estava Paulo Nobre, do Palmeiras, e Marco Aurélio Cunha, coordenador de futebol feminino. 

"Fiquei feliz com a resposta, no sentido de que, eu trazendo os outros quatro apoios, a CBF estaria do meu lado. Isso é importante. Queria dar o meu pontapé inicial só após ouvir essa posição da CBF. Eu, como brasileiro, não poderia dar nenhum pontapé inicial sem antes ouvir a entidade do meu País", declarou Zico em entrevista ao canal de vídeos oficial da CBF. 

"Recebendo esse apoio, tenho mais motivação para seguir em frente, buscar esses outros quatro apoios que eu preciso para a candidatura e depois trabalhar firme para ganhar confiança, credibilidade de todos, e da própria CBF, para conseguir o voto para a presidência. Então, é um passo de cada vez e acho que o primeiro foi dado, e muito bem dado", completou o ex-camisa 10 rubro-negro.  

Zico já tem dois concorrentes certos na disputa pela chefia da Fifa. O primeiro é Michel Platini, também ex-jogador e que preside atualmente a Uefa. Um dos maiores opositores recentes de Blatter, o francês recebeu o apoio da confederação asiática, nesta quinta-feira. Com essa ação da AFC, uma nova tentativa do príncipe jordaniano Ali bin Al-Hussein fica enfraquecida. Hussein foi o concorrente de Blatter no último pleito, em maio.

Outro que tentará chegar ao cargo máximo do futebol é o sul-coreano Chung Mong-joon, magnata da Hyundai e que já foi ex-presidente da Fifa. 

Os interessados devem oficializar a candidatura até quatro meses antes da eleição, que será realizada no dia 26 de fevereiro de 2016. A condição para participar da eleição é obter a chancela de uma federação nacional e a assinatura de outras cinco. 

Em entrevista ao Estado nesta quinta-feira, o ex-jogador e atual senador Romário (PSB-RJ) acredita que a CBF pode até apoiar Zico, mas que ela "vai votar em quem Blatter mandar. É assim que funciona."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.