Del Nero reconhece erro por diploma

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo del Nero, reconheceu nesta terça-feira que a entidade poderia ter sido mais rigorosa com Edilson Pereira de Carvalho quando o juiz foi denunciado por ter apresentado diploma falso de conclusão do 2.º grau para se formar na Escola de Árbitros. A fraude foi descoberta em 2003 e o juiz ficou afastado por 10 meses dos quadros da federação e da CBF ? mas permaneceu em situação regular na Fifa. Depois que "regularizou" a situação ? fez um curso supletivo ?, foi reintegrado. Ele atribuiu a falha a um vacilo da Comissão de Arbitragem. "Edilson continuou atuando pela Fifa e, quando apresentou o diploma, a comissão avisou à CBF, que passou a utilizá-lo. Ele trabalhou em uns 15 jogos do Brasileiro de 2003 e, quando o Paulista de 2004 começou, a federação voltou a escalá-lo. O problema passou despercebido." Del Nero considera a fraude do juiz um fato grave e admitiu: "Hoje, com certeza, ele seria vetado. Mas na época, o caso não passou por mim." O presidente da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf), José de Assis Aragão, disse que a entidade recomendou à FPF que não o reintegrasse até que sua situação fosse regularizada. "Não temos poderes para incluir ou excluir ninguém do quadro de árbitros. Isso é responsabilidade das federações e da CBF."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.