Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

Del Nero volta a ser apontado em investigação dos Estados Unidos

Justiça americana confirma suspeitas de que presidente da CBF teria recebido propinas em torneios nacionais

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2017 | 07h00

A Justiça dos EUA confirma as suspeitas em relação ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, mantendo seu nome entre os dirigentes esportivos que teriam recebido propinas em 2014, quando ele assumiu a entidade nacional. A conclusão faz parte de nova versão do indiciamento da Justiça americana no caso envolvendo dirigentes esportivos da Fifa. Datado de 14 de junho, os documentos representam a primeira atualização no processo que começou em maio de 2015. 

Para investigadores consultados pelo Estado, a volta das menções a Del Nero após dois anos deve ser interpretada como confirmação de que ele está no radar da Justiça e que pode ser preso se deixar o Brasil.

Em nota explicativa antes dos relatos dos crimes, a Justiça dos EUA aponta que foram excluídos dos trechos de acusação dirigentes que fecharam acordos de delação ou que, como Del Nero, estão em países que não extraditam suspeitos. O documento foca julgamento que começa em novembro envolvendo José Maria Marin, Juan Napout e Manuel Burga. 

Ainda assim, a concentração do documento no caso de Marin – em prisão domiciliar nos Estados Unidos – não significa que as suspeitas sobre Del Nero foram abandonadas. Fontes do FBI explicaram ao Estado que, depois de dois anos de investigações, o inquérito avançou nas suspeitas sobre o atual presidente da CBF e, por isso, seu nome foi citado. 

Ainda que os torneios sob investigação sejam os mesmos de 2015, os investigadores indicam que os detalhes sobre supostas propinas a Del Nero mereceram mais destaque na nova versão da ação. Ele é apresentado como co-conspiradores, ao lado de Teixeira, ex-CBF. 

O documento traz novos detalhes de como funcionou os acordos entre empresas e dirigentes para a venda de direitos. No que se refere à Copa América, os americanos apontam que o contrato de direitos de TV envolvia US$ 317 milhões (R$ 1,03 bilhão), com validade até 2023. Nessa conta estaria o pagamento de “dezenas de milhões de dólares de propinas” a doze dirigentes, como Del Nero. 

Foi revelado ainda que parte dos pagamentos ocorreu a partir de contas secretas na Suíça, num total de US$ 13 milhões (R$ 42,3 milhões). Outros três pagamentos foram realizados entre junho e setembro de 2013 e distribuído entre os cartolas. “Propinas foram subsequentemente distribuídas para dirigentes da Conmebol”, aponta. 

Em relação à Libertadores, as revelações indicam que esquemas de corrupção foram montados até nos EUA. “Em vários momentos, Marin, Del Nero, Teixeira e outros solicitaram e receberam propinas em troca de apoio” para contratos de transmissão de jogos. Del Nero foi arrolado na Copa do Brasil, em trama envolvendo ele J. Hawilla e Marin. “Hawilla concordou em pagar metade do custo de propinas e distribuir entre Marin, Teixeira e Del Nero.” A CBF não respondeu ao Estado sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.