Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Delegação do Boca Juniors passa madrugada em delegacia após confusão no Mineirão

Delegação do Boca Juniors passa madrugada em delegacia após confusão no Mineirão

Jogadores tentaram invadir o vestiário do Atlético-MG após derrubarem grades de proteção no estádio em Minas

Redação, Estadao Conteudo

21 de julho de 2021 | 11h02

Jogadores, comissão técnica e dirigentes do Boca Juniors passaram a madrugada desta quarta-feira, 21, na Central de Flagrantes 4 (CEFLAN 4) da Polícia Civil, em Belo Horizonte. A delegação do clube argentino foi conduzida à delegacia pela confusão no estádio do Mineirão, na noite de terça, após a eliminação para o Atlético-MG, na disputa por pênaltis após o empate sem gols no tempo normal, pelas oitavas de final da Copa Libertadores.

Na manhã desta quarta-feira, a delegação do Boca Juniors ainda continuava na delegacia. A Polícia Civil de Belo Horizonte informou que a ocorrência estava em andamento e que mais detalhes seriam divulgados após a conclusão dos procedimentos. O fato virou atração para curiosos que se concentraram nas imediações do prédio. O grupo, de cerca de 50 pessoas, aproveitava para ironizar o time argentino.

Por conta da ida à Central de Flagrantes, toda a delegação do Boca Juniors perdeu o voo de retorno a Buenos Aires previsto no Aeroporto Internacional de Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, para as 23 horas de terça-feira. A volta à Argentina deve ocorrer ainda nesta quarta.

A delegação seguiu completa para a delegacia por determinação do técnico Miguel Ángel Russo. Inicialmente, apenas oito integrantes da equipe identificados na confusão seriam levados para depoimentos: Gayoso (preparador de goleiros), Somoza (assistente técnico) e os jogadores Cascini, Rojo, Izquierdoz, Villa, Zambrano e Javi García.

A Polícia Militar montou uma barreira na porta da central, impedindo a saída do ônibus do Boca até a conclusão dos depoimentos. Depois da confusão no estádio, a delegação saiu escoltada pela Polícia Militar até a delegacia. Lá foi feito um Boletim de Ocorrência para documentar as agressões e os atos de vandalismo registrados pelas câmeras de TV. Representantes do Consulado da Argentina em Belo Horizonte deram assistência ao clube.

O Atlético-MG informou que, depois de longa negociação, intermediada por seu presidente, Sérgio Coelho, nenhum argentino seria detido na capital mineira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.